MB Review: Thermae Romae – Uma Jóia Perdida:

Todo os anos temos vários títulos inéditos chegando ao Brasil pelas mais diversas editoras, e é natural que alguns títulos se destaquem mais que os outros, seja porque tem uma adaptação em anime sendo exibida, ou até mesmo porque o autor da obra já foi publicado no Brasil e tem um grande número de fãs em nossas terras. E dentre essas várias obras lançadas por aqui, algumas até foram bastante elogiadas por quem as leu, mas infelizmente elas não tiveram a repercussão que deveriam. É por isso que neste quadro o “Jóia Perdida” vou indicar ótimos mangás que já foram publicados em terras tupiniquins, e que você provavelmente não leu.

Quem acompanha o mercado nacional de mangás à pelo menos 5 anos, deve se lembrar que entre 2013 e 2015(mais precisamente até o meio de 2015) a Editora JBC vinha trazendo vários títulos não tão conhecidos por aqui, citando alguns deles: Senhor dos Espinhos, Jogo do Rei, Ageha, Love in the Hell, Prophecy, O Cão que Guarda as Estrelas, entre muitos outros. Foi nesse período, que o mangá Thermae Romae, da autora Mari Yamazaki, foi publicado. Obra completa em 6 volumes, e para a época, veio num alto padrão de qualidade, com verniz localizado na capa, orelhas e papel offset, ao preço de 19,90(e pensar que hoje em dia um tanko normal tá custando mais que isso). Eis a sinopse do mangá:  

“Lucius Quintus Modestus é um arquiteto que vive na Roma antiga. Ele se sente deprimido, pois acabou acabou de ser contratado para projetar uma nova terma na cidade, mas está passando por um bloqueio criativo. Um amigo o leva até uma casa de banho para relaxar e esquecer os problemas, mas algo misterioso acontece e transporta Lucius para uma casa de banho pública no Japão dos dias atuais. Ele fica impressionado com algumas técnicas japonesas de banho e arquitetura e volta para Roma cheio de novas ideias.”Além dessa sinopse super curiosa, uma das coisas mais interessantes do mangá é sem dúvida, ver a forma com que Lucius reage ao ver a sociedade japonesa (nem preciso dizer que é COMPLETAMENTE diferente da Romana, né?).
Outra coisa que fica bem explícita no mangá, até porque a autora fala sobre isso várias vezes, é a paixão que ela tem pelo banho, em especial nas termas ou naquelas tradicionais hospedarias japonesas.

A forma que a autora encontra de reproduzir os objetos usados nas casas de banho japonesas modernas, para a Roma antiga, pelas mãos de Lucius, é muito divertida. Mais divertida ainda é ver as expressões de Modestus quando ele descobre algo que considera surpreendente.

 100% surpreso
Bom, é evidente que muita coisa rola no mangá, em meio as constantes viagens que ele faz ao Japão moderno, várias situações inusitadas acontecem, como uma égua que se apaixona por Lucius. E vejam só, ele até mesmo se apaixona por uma japonesa (ou melhor, uma cara-achatada conforme a denominação que Lucius deu aos nipônicos).

Recomendo demais a leitura da obra, além de ser um mangá muito engraçado, é uma aula de história e cultura, tanto sobre a Roma Antiga, quanto o Japão moderno. A autora conta muitos detalhes dos bastidores do mangá nos freetalks, e coloca muitas informações em relação a casa de banho romanas e todo o comportamento do povo que viveu naquela época. Além do mais, Mari Yamazaki é casada com um italiano, que a ajudou muito na produção do mangá. Fica a minha recomendação, se acharem o mangá, comprem sem medo! É extremamente divertido e além do mais, são só 6 voluminhos.

O mangá foi adaptado para anime, e também para live-action. E a autora já esteve no Brasil, gravou um vídeo para o Henshin(Canal de YouTube da Editora JBC), abaixo deixo o vídeo com a autora. Espero que tenham gostado do texto e até a próxima. o/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.