MB Review: Sword Art Online – Aincrad (Novel) #002

Sword Art Online foi a primeira Light Novel da Editora Panini, lançada em dezembro de 2018, com seu segundo volume lançado pouco tempo depois. Escrita por Reki Kawahara, com ilustrações de abec, a novel é um fenômeno da literatura infanto/juvenil japonesa com mais de 20 milhões de cópias vendidas mundialmente.
Sinopse: Na história de Sword Art Online, o cientista prodígio Akihiko Kayaba cria o jogo que dá o título à trama, o primeiro jogo de realidade virtual on-line para multijogadores (VRMMO). Mas, o que os jogadores não sabem é que, uma vez que se entra, não se pode sair até a conclusão do jogo, e quem morre dentro do jogo, também morre na vida real. Nesse volume temos as histórias de quatro personagens que cruzaram com Kirito durante os eventos de SAO: Silica, a Beast Tamer; Lisbeth, proprietária de uma loja de armas; Yui, uma menina cheia de mistérios; e Sachi, a garota que não consegue tirar o Cavaleiro Negro de seu coração. Mesmo em uma situação extrema como esta, eles vivem plenamente, dão risadas, divertem-se… Acima de tudo, curtem as suas vidas que agora fazem parte deste universo.
Esse review é referente ao segundo volume da novel de Sword Art Online – Aincrad, caso você não tenha lido o primeiro review, clique aqui.


Nesse volume, temos histórias paralelas de Aincrad, onde Kirito ajuda alguma personagem. Essas histórias foram apresentadas durante a jornada principal de Kirito na animação de 2012. Tratar esse volume como side-stories é um pouco estranho, depois de você já ter lido a história principal, e a interferência dessas histórias que nós lemos nesse capítulo ser quase nula na jornada principal. Não sei como foi o processo de criação dessas histórias, se elas foram criadas juntas da história principal e somente compiladas separadas, ou se foram criadas depois para estender a história de Aincrad.

Como disse acima, esse volume é composto de quatro histórias, com uma das garotas como personagem principal além do Kirito. A primeira história, O Cavaleiro Negro, conta o encontro de Kirito e Silica, quando da morte do familiar da Silica, Pina. E a saga para reviver o familiar. Na segunda história, Calor do Coração,  temos Lisbeth indo atrás de um metal raro para forjar uma nova arma para Kirito. Diferente da primeira história, que era contada em terceira pessoa, essa história é contada pela própria Lisbeth, onde temos mais informações de seus pensamentos e amores pelo Kirito. É uma quebra de narrativa que você estranha um pouco.

A Menina do Orvalho Matinal é o nome da terceira história, que conta sobre a lua de mel do nosso casal principal, e do encontro deles com Yui, a garota perdida que eles adotam. Honestamente, é a minha história preferida de SAO. Aqui nós temos a visão tanto do Kirito quanto da Asuna como pessoas, e pouco menos como jogadores. Essa história é contada em terceira pessoa, insisto nesse ponto específico pois a quarta história, A Rena do Nariz Vermelho, volta a ser contada em primeira pessoa, agora na visão do Kirito, contando sobre a época em que ele participou da guilda Gatos Pretos da Noite Enluarada, e de seu desafio contra o chefe do evento de Natal.

Sobre a edição da Panini, Sword Art Online possui as mesmas especificações do primeiro volume. Possui 14x21cm, capa com orelhas, páginas coloridas em couché e miolo em pólen. R$39,90 é o preço de capa. Achei muitos poucos erros de revisão, nada que comprometa a leitura.

O livro não é essencial para a história de Aincrad, mas talvez, caso a Panini anuncie os volumes seguintes, seja interessante ler para conhecer as personagens participantes desse volume. O ponto mais estranho desse volume foi mesmo a troca de pontos de vista em cada capítulo, seja em primeira ou terceira pessoa.
Exemplar cedido gentilmente pela Editora Panini.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.