Mistura de Hellsing e Trigun? Conheçam Eat-Man

Olá, meus amigos. Como estão? Nesta última semana, fiquei um pouco saudoso e fui dar uma pesquisada em alguns animes dos anos 90 para assistir. No meio dessa pesquisa, me lembrei de “Eat-Man”, uma obra bem interessante, com a qual me esbarrei há anos, e que apesar de já ter sido exibida no Brasil, muito pouco se fala dela.
Originalmente um mangá, “Eat-Man” foi escrito e desenhado por Akihito Yoshitomi, publicado nas páginas da revista Dengeki Comic Gao!, entre 1996 e 2003. A série rendeu 19 volumes encadernados e 2 temporadas em anime. A trama do mangá é a seguinte:

Bolt Crank viaja pelo mundo como o maior mercenário do planeta. Ele recebeu esse apelido devido às suas habilidades, bem como sua capacidade de comer qualquer coisa, e depois reproduzi-lo na mão direita. Durante suas aventuras, ele conhece novos amigos, e também seu rival Hard. Mas, seu misterioso passado com um homem chamado Leon Field entra em cena mais tarde, quando Shadow, um homem que pode controlar máquinas e se autodenomina Bolt Crank, e Stella, uma mulher que quer mecanizar todos os seres humanos do planeta, leva Bolt de volta à uma missão que deveria ter terminado há muito tempo atrás.

 O anime foi produzido pelo estúdio DEEN (KonoSuba, Rurouni Kenshin, GetBackers), e teve um total de 12 episódios. A primeira temporada do anime, intitulada apenas de “Eat-Man”, foi exibida no Brasil pelo extinto canal pago Locomotion, bem como sua sequência, desta vez chamada de “Eat-Man ’98”, também com 12 episódios. O anime não adapta todo o mangá, e possui algumas histórias originais criadas apenas para o anime, estas, contaram com a supervisão do autor do mangá. 

Ver a cara de surpresa dos inimigos quando vêem Bolt comendo parafusos ou armas inteiras é impagável!
A segunda temporada do anime, possui uma qualidade de animação superior à primeira temporada. Parece que o estúdio não colocava muita fé no anime, dedicando pouco do seu orçamento à produção dos episódios, o que ocasionou uma qualidade bastante oscilante. Apesar disso, o anime fez um relativos sucesso, por isso, na segunda temporada o estúdio caprichou mais em cada episódio.

Bolt Crank após comer bastanteUma das coisas que mais me chamam a atenção na obra, é sem dúvidas, o visual. O traço, a ambientação, o estilo narrativo…Tudo remete muito à época que em o mangá começou a ser publicado, os anos 90. Se você é uma pessoa que gosta de animes da época, a comparação com “Trigun”, e com “Hellsing” será inevitável. O roteiro não tem tantas semelhanças assim com as obras citadas anteriormente, mas como eu disse, o visual e toda a atmosfera que o Bolt Crank passa, me lembra muito o Vash, e o Alucard. Bolt come metais, parafusos e armas com o mesmo prazer que Alugard bebe o sangue de suas vítimas, faz de seu braço direito uma arma poderosa e tem grande precisão nos seus tiros, assim como Vash. E todos os três personagens estão ligados por um único acessório: todos possuem óculos de sol arredondados. Realmente, pode ser maluquice minha, mas eu realmente vejo muito em comum nas três obras. Porém, apesar do título, é importante ressaltar que Eat-Man, começou a ser publicado cerca de 1 ano antes de Hellsing.

O óculos de sol arredondado marca presença!Agora, vamos falar um pouco sobre o mangá. Como eu disse anteriormente, o anime não adapta toda a história do mangá, justamente por ter acabado enquanto o mangá ainda era publicado. Em decorrência disso, a obra em sua versão animada possui um final exclusivo para a TV(em outras palavras, filler). O mangá trabalha o protagonista de uma forma superior, apresenta novos arcos, novos personagens, e é possível observar a evolução do traço do autor no decorrer da obra. O traço é simples, não é super bem trabalhado mas está longe de ser ruim, é algo simples e eficaz. A quadrinização é dinâmica, logo, a leitura se torna fluida.

Apesar da história ter tido um final relativamente fechado, em 2014 o autor iniciou uma sequência para a obra, intitulada “Eat-Man: The Main Dish”, a qual foi publicada na revista Shonen Sirius e durou até este ano(2019), rendendo 6 volumes encadernados. Antes de prosseguir, um detalhe curioso que descobri pesquisando sobre esta obra, é que o autor de Eat-Man é o mesmo autor de “After School of the Earth”, que foi publicado no Brasil pela JBC.

A arte do autor em “Main Dish” está ainda mais trabalhada!Apesar do anime já ter sido exibido no Brasil, o mangá permanece inédito, e sinceramente, não acho que tenha grandes chances de ser publicado por aqui. Eu bem que gostaria, mas pouca gente se lembra de Eat-Man, e depois do fracasso do mangá nos EUA, onde apenas 2 dos seus 19 volumes foram publicados pela VIZ, as editoras brasileiras devem ter ficado com medo de publicá-lo, se é que esse título passou no radar delas, o que eu acho bem improvável de ter acontecido. 

Capa do volume 1 americano
TALVEZ a história no Brasil pudesse ter sido diferente se “After School of the Earth” tivesse ido bem nas vendas, já que a JBC poderia se interessar em trazer outros títulos do autor. Apesar da JBC nunca ter dito que After School vendeu mal, o mangá veio na época em que a JBC estava despejando vários títulos menos conhecidos no nosso mercado, e no meio de tanta coisa mais mainstream sendo lançada, não seria de se estranhar que grande parte dos leitores ignorasse um mangá com colegiais de biquíni com arminhas de brinquedo na capa. Quem leu, diz que a história é muito boa, apesar da capa sugerir apenas um mangá bobinho, qualquer hora vou acabar parando pra ler. 
Finalizando, “Eat-Man” é uma história divertida, com um protagonista interessante e ambientação imersiva. Se você gosta das obras desse estilo de mangá, em que só de olhar já percebemos que aquilo foi lançado nos anos 90, com cenas de ação exageradas e muitas explosões e algumas características cyberpunk, vai fundo, Eat-Man é pra você. Caso queira apenas um anime de ação, pode ir na fé, somando as 2 temporadas, a obra tem um total de 24 episódios, então é tranquilo de assistir e dá pra achar legendado na internet facilmente. Agora, caso queira se aprofundar no universo da história, acompanhando o desenvolvimento dos personagens e da trama, recomendo fortemente que leia o mangá. O mangá pode ser encontrado facilmente na internet, tanto a série original, quanto a continuação, contudo, as scans estão disponíveis apenas em inglês e a qualidade das scans da série original está bem ruinzinha, apesar de legível.

Bom, então é isso. Espero que tenham curtido o texto e a indicação. Nos vemos numa próxima!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.