MB Review: Solo Leveling #1

As WebToons já existem há um bom tempo, mas estão se popularizando cada vez mais. E um dos fatores que estão causando essa popularização, além do fato de várias dessas obras originalmente publicadas via internet estarem recebendo edições físicas, é a adaptação para anime que algumas vêm recebendo, como o caso de Tower of God e The God of Highschool. Além das citadas anteriormente, outra que vem fazendo um enorme sucesso mundo afora, e sempre figura entre as mais lidas nos sites de WebToons, mesmo sem ter versão animada (ao menos por enquanto), é Solo Leveling.
Solo Leveling é um Manhwa (quadrinho coreano) que tem seus capítulos disponibilizados online, por isso, me refiro como uma WebToon. O manhwa é adaptação de uma Light Novel homônima, criada por Chugong, já completa em 8 volumes. Arte do quadrinho, ficou a cargo dos artistas do Redice Studio. O manhwa ainda está em publicação.

 Após fazer um grande sucesso no exterior, tanto online, quanto em sua versão impressa, o manhwa finalmente chega ao Brasil pela editora New Pop.

ENREDO

Antes de dar a sinopse e, consequentemente, minhas considerações sobre a obra (sem spoiler, fiquem tranquilos), preciso dizer que esse foi o meu primeiro contato com um Manhwa do estilo. Sei que assim como nos mangás, os manhwas possuem vários estilos de narrativa, inclusive já tivemos alguns lançados no Brasil pela editora Conrad, os quais se assemelhavam muito aos mangás, porém, Solo Leveling, talvez por ser originalmente uma WebToon, possui um estilo de quadrinização bem único, e como disse anteriormente, foi meu primeiro contato com algo do gênero. Vamos à sinopse:

Um grande fenômeno um dia aconteceu, port

ais desconhecidos surgiram ligando o mundo que conhecemos a uma realidade totalmente extraordinária de monstros e seres fantasiosos, cujo único objetivo era matar humanos. Em resposta a esse novo perigo, surgiram os “Caçadores”, humanos que foram despertados e ganharam poderes capazes de bater de frente com essas criaturas. Dentre eles, há um conhecido por ser “a pior arma da humanidade”, Sung Jun-Woo. Mas sua sorte irá mudar quando uma incursão que deveria ser fácil se torna um verdadeiro pesadelo.

Admito que mesmo sabendo da existência da obra há algum tempo, eu nunca tive interesse em ir atrás e conhecer a fundo. Provavelmente porque o mercado de animes e mangás, que é o que eu mais acompanho, já está saturado com obras do estilo. E da enxurrada de mangás e animes que surgem abordando o tema “Isekai” (que pode ser traduzido como “outro mundo”; “outra dimensão”), poucos são realmente bons e fogem do genérico. E para a minha surpresa, Solo Leveling, conseguiu abordar uma premissa genérica e batida, de uma forma empolgante e divertida, mais divertida inclusive, que muito dos seus vizinhos nipônicos. 
Apesar do tema abordado pelo manhwa não ser nada tão inovador assim, um dos pontos altos da história é sem dúvida Sung Jun-Woo, o protagonista. A começar pelo apelido de “a pior arma da humanidade”, ser justamente pelo fato de Jun-Woo ser o cara mais fraco de toda a obra. Assim como os portais que se abrem, os “caçadores”, possuem Ranks, que variam de S a E, sendo “S” o mais alto e “E”, o mais baixo. Como se não bastasse o nosso protagonista ser de Rank E, ele ainda é o mais fraco dentro dessa categoria. O engraçado, é que ele é relativamente “famoso” entre outros caçadores, justamente por não ser nada poderoso.

Jun-Woo entrando no portal da missão que mudaria sua vida

Nesse primeiro volume, temos 3 capítulos, que abordam basicamente uma única missão para fechar um portal. Porém, algo extremamente raro acontece durante a missão, o que acaba prendendo o grupo de personagens em um local totalmente intimidador. O grupo de personagens é composto por personagens de vários Ranks, não somente do Rank E, como é o caso de Jun-Woo. Cada personagem, possui uma função dentro do grupo. Por exemplo, existe um líder, um cara que usa magia, uma curandeira, e assim sucessivamente, exatamente como em um jogo de RPG.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é b3db863e-fc86-4c9c-a0d5-cd19cb7c0579.jpg
Monstros, magia e sangue. Como em um jogo.

Outra coisa muito legal presente na edição, é que nem todos os caçadores estão ali porque realmente gostam daquilo. O próprio protagonista, luta para tentar pagar as dívidas do hospital onde a mãe está internada, e para tentar ajudar a irmã com os estudos. Existe também, um caçador que após largar a profissão, retorna pois precisa de dinheiro para sustentar a esposa que está grávida, e os outros dois filhos que possui. Dar esse tipo de background, ainda que simples, pros personagens, já faz com que a coisa se torne mais coesa e realística. Pois convenhamos, poucos seriam loucos de sair entrando em portais desconhecidos e enfrentando monstros, com a possibilidade de nunca retornarem, apenas por diversão. Vale ressaltar que um portal só é fechado quando o “chefão” daquela masmorra é derrotado. Caso os caçadores não consigam fechar o portal, depois de um determinado tempo, as criaturas começam a atravessar para o mundo humano e atacar as pessoas indiscriminadamente.

Curandeira em ação. Reparem como as cores são boas.

Como disse anteriormente, os personagens ficam presos em um local medonho, e a forma com que Jun-Woo atua é essencial para o “sucesso” da missão. Mais interessante ainda, é a forma com que a missão é concluída e toda a consequência que isso tem na vida do protagonista. Confesso que fiquei curioso para ver o rumo que a história irá seguir a partir do volume 2, tem tudo para ser interessante. Estou pensando seriamente em acompanhar a série, que passaria batida, caso eu não tivesse recebido esse volume para resenhar.

 As cenas de combate são fluidas e os balões de texto, estão na medida certa. Por causa do bom casamento entre desenho e texto, a leitura se torna bastante ágil. Minha única crítica, é que achei a arte bem genérica. Não que seja mal feita, mas os personagens possuem designs bem básicos, e pelo menos nesse volume, não possuem características marcantes. Já o design dos monstros, é um pouco mais interessante, mas ainda simples. Sem contar que a arte é feita digitalmente, então se perde um pouco daquele charme que a arte feita à mão tem, como algumas hachuras, detalhes de sombreamento e etc. Outra coisa que eu estranhei, mas que não é necessariamente um ponto negativo, é o fato de muitas páginas terem apenas dois ou três quadros, deixando de aproveitar um grande espaço da página. Espaço esse, que poderia ser utilizado para a inclusão de mais quadrinhos, fazendo com que a história rendesse ainda mais nesse primeiro volume. Pode ser que isso seja herança direta da forma que o quadrinho é publicado originalmente, via internet. De qualquer modo, é uma observação que eu fiz. Por fim, o trabalho de colorização é muito bom, os tons são bem definidos e as cores, tanto dos personagens, quanto dos ambientes, foram muito bem escolhidas.

EDIÇÃO

A edição da New Pop está bem caprichada. O formato do manhwa é de 15×21, isso é, relativamente maior que o tamanho padrão dos quadrinhos orientais lançados no Brasil. A edição possui orelhas e é totalmente colorida. O papel é o Couchê de 90g, o que é uma gramatura muito boa (e deixa o quadrinho bem pesadinho). O preço da edição é de R$ 49,90. Sabemos que é um preço um pouco alto. Porém, temos que levar em consideração três coisas: o dólar está nas alturas; a New Pop não é uma editora do porte da Panini ou JBC, por mais que esteja crescendo e trazendo obras grandes ultimamente; e por último, todo o acabamento gráfico do quadrinho, que é muito bom. Isso tudo são fatores importantes na hora de analisar o preço. É importante lembrar que a obra é lida no sentido ocidental, da esquerda para a direita, ao contrário dos mangás.

O volume 1 acompanha um marcador de páginas.

VALE A PENA?

Solo Leveling não é uma obra profunda, e nem tenta ser. É um quadrinho que entrega com maestria aquilo que ele se propõe a entregar. Eu particularmente gostei bastante, e como citei antes, estou curioso para ver como a história irá se desenvolver a partir de agora. Se você é fã de jogos de RPG, gosta obras com a temática de “Isekai” (estou usando o termo em japonês pois não sei se existe um sinônimo em coreano), ou simplesmente procura um quadrinho para ler de forma rápida e ver algumas boas cenas de ação e aventura, SL com certeza irá te agradar, tanto na história, quando em relação a edição, que como disse, está muito bonita. Porém, caso procure um quadrinho que aborde questões mais trabalhadas, ou que possua uma história mais sombria e adulta, não vai ser aqui que você encontrará. 
Agradeço à loja Anime Hunter, que nos cedeu esse exemplar para análise. E caso você tenha se interessado pelo manhwa, saiba que você pode receber um exemplar gratuitamente em sua casa. Em parceria com a Mangás Brasil, a loja Anime Hunter está disponibilizando mais 5 exemplares de Solo Leveling para sorteio, que acontecerá no dia 26/07/2020. Para participar, clique aqui para ler as regras e realizar o passo a passo. 
Espero que tenham gostado da review e do texto. Nos vemos numa próxima!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.