MB Review:”Astra Lost in Space”: O Que Você Faria se Estivesse Perdido no Espaço?

Trago hoje para vocês o review da obra “Astra Lost in Space (Kanata no Astra)”. Uma série de mangá japonesa de Kenta Shinohara. Foi serializada on-line entre maio de 2016 e dezembro de 2017 pelo site / aplicativo Shonen Jump + da Shueisha. A série está completa com 5 volumes.
O autor Kenta Shinohara é conhecido pelo seu mangá “Sket Dance” e também de ter sido assistente de Hideaki Sorachi, autor de “Gintama”.
Sinopse: O ano é 2061, onde a viagem espacial já é possível e comercialmente viável e os estudantes do Colégio Caird embarcam para o acampamento planetário. Mas, logo após a chegada do grupo B5 no acampamento, uma misteriosa e imprevisível esfera de luz teleporta os nove tripulantes para o espaço sideral, deixando-os 5012 anos-luz de seu planeta natal. Com a descoberta de uma velha nave espacial abandonada nas proximidades, os estudantes devem se manter firmes, administrar seus recursos limitados e continuar unidos pela escura vastidão do espaço, para que todos possam sobreviver a sua longa e, provavelmente, perigosa viagem de volta para casa a bordo de Astra.
Analisando a Obra:Então vamos lá! O mangá começa com Aries Spring, uma jovem com suas malas prontas para uma viagem inter-planetária, que já de cara aparenta ser atrapalhada. Ao chegar no ‘espaçoporto’ (um aeroporto que ao invés do destino ser outras cidades, são outros planetas), logo se nota que a Aries é uma jovem bem mais atrapalhada do que o esperado, ao chegar no aeroporto derruba todas as suas malas, porém com uma dose de humor a cena realmente fica engraçada ao invés de ser aquela cena de uma trapalhada ‘vergonha alheia’. Aries encontra o restante da tripulação de sua viagem e reconhece o jovem destemido Kanata Hoshijima, um jovem que a ajudou em um outro incidente antes do embarque.

Poster que acompanha o primeiro volume.

Enfim eles seguem o curso da viagem com os demais participantes, Areis agradece por Kanata tê-la ajudado e em uma rápida conversa logo eles chegam no planeta destino. Até esse ponto tudo parece muito tranquilo. Fica parecendo que a obra vai focar na aventura dos jovens em um novo planeta. Entretanto já acontece a primeira grande surpresa, isso mesmo, aquela que te faz querer continuar a querer ler a obra. Eu já meio que esperava por isso, uma boa narrativa tenta te agarrar logo de cara, porém, admito que a forma com que isso aconteceu foi muito melhor do que eu esperava. Ao invés de acontecer algo com eles no próprio planeta, acontece algo bem mais surpreendente: uma estranha esfera que estava no planeta ‘suga’ os tripulantes, e eles são “teletransportados” por esta esfera para o meio do espaço, muito, muito, mas muuuuuito distante.
No capítulo seguinte eles buscam entender e organizar como vão retornar para seu planeta natal, mas é uma aventura e tanto, afinal são nada mais nada menos do que 5012 anos-luz! Ainda que no meio do espaço eles tenham encontrado uma espaçonave nesta escuridão espacial, eles estão realmente bem distantes e sem recursos. Eles traçam um caminho de volta pra casa, e parece ser uma longa jornada. À partir daí você já percebe que as coisas não vão ser fáceis, outros destinos e com toda certeza estes destinos trazem novas surpresas e aventuras. Como dito acima no início, Aries aparenta ser aquela jovem desastrada que vemos em muitas obras, entretanto já te digo que mais à frente ela consegue salvar a todos por conta de suas habilidades, o que me cativou mais ainda.
No início pensei que o foco da obra fosse destinado apenas em Aries e Kanata, porém mais adiante na obra é notório que todos os tripulantes têm seu espaço na trama, e cada um tem sua história, bem como cada um tem habilidades e conhecimentos específicos que vão ajudar o grupo como um todo nessa distante aventura.

Outro ponto positivo foi na tradução da Editora Devir, para ser franco não sei se é algo comum na editora, mas ela utiliza dentro na obra alguns dialetos em alguns personagens como “cês”, “véi”, mas nada exagerado, então não se preocupe, mas acredito ser um ponto muito positivo já que os tripulantes são todos jovens e eles mostram uma forma bem mais casual de diálogo, o que torna a leitura mais leve.
O que eu achei da obra? Vou dar continuidade aos volumes seguintes?

Bem, para ser bem honesto, assim como eu, talvez uma parcela dos leitores conheceu na obra pela primeira vez através do anime. O primeiro episódio eu achei muito tedioso e sequer o terminei (que me cansou também foi o fato de, se eu não estou enganado, este episódio ter mais de 40 minutos). Porém, isso não me ocorreu com o mangá. Ele se torna bem mais dinâmico e me prendeu bem mais que a animação. 
Acredito que a obra em si é muito bem construída. Ela dá pistas que na hora você não percebe como uma informação tão relevante, mas depois a obra exalta o motivo de ter dado essa mesmo informação que você até captou na leitura, mas não deu seu devido valor. Nos capítulos seguintes da obra, não vejo no momento algum crítica negativa a ela, tanto em sua narrativa, enquadramento, diálogos ou a editora, já que ela trouxe um maravilhoso tanko, com uma boa impressão, bom corte que vem com sobrecapa. Diria que é um preço justo comparado ao mesmo formato de suas concorrentes. Talvez poderia melhorar o preço? Talvez. Mas como a qualidade do material é si é muito boa, acredito que possa justificar tal valor comparando com o que uma ou outra editora concorrente entrega por um preço um pouco menor, mas justo visto o cenário global atual e o valor do real.

Quarta capa sem sobrecapa

E, claro, pretendo sim continuar a leitura e acrescento que o segundo volume já foi lançado e estou ansioso para lê-lo. É uma obra que traz um mix de sentimentos: tem aventura, suspense, dá até para começar a shippar um casal já no primeiro volume, para quem gosta de ver sempre que o amor está no ar haha. Pretendo colecionar a obra e com toda certeza foi uma ótima escolha da Editora Devir em publicar o título no Brasil.
O mangá, como já disse acima, é muito bem construído, pelo menos a edição que está em minhas mãos não encontrei nenhum defeito sequer, seja na impressão, no corte, lombada. Fisicamente é impecável em todas suas 200 páginas de papel Muken. Além disso a obra conta com uma sobrecapa e um pequeno pôster de brinde, isso pelo o valor de R$28,00. Outro bom atrativo é que a série já se encontra finalizada como dito lá no começo do texto, são apenas 5 volumes, o que torna mais um atrativo para conferir essa aventura.

Volume cedido pela Editora Devir.
Review por @wtf.edson

One thought on “MB Review:”Astra Lost in Space”: O Que Você Faria se Estivesse Perdido no Espaço?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.