MB Review: O mistério de Banana Fish e as gangues de Nova Iorque

Banana Fish é um mangá shoujo lançado no Brasil pela Editora Panini em julho de 2020. De autoria de Akimi Yoshida, o mangá foi publicado na revista Betsucomi da Shogakukan desde 1985, finalizado com 19 volumes totais. No Brasil, o mangá será compilado em 10 volumes.Sinopse: Vietnã, 1973. O soldado norte-americano Griff surta de repente e mata três de seus companheiros a tiros, murmurando apenas “banana fish”… Nova Iorque, 1985. Ash salva um homem do ataque de delinquentes. Antes de morrer, ele lhe entrega um pingente e diz “encontre… banana fish…”. O mandante do ataque foi Dino Golzine, um chefe da máfia. Ash tenta desvendar o mistério que ronda essa palavra desde que acolheu seu irmão mais velho Griff, atualmente em estado catatônico. Ao descobrir que o garoto estava investigando o caso, Dino envia seu capanga Marvin para capturá-lo. Este se alia a Arthur, um jovem que guarda um rancor profundo de Ash, e ataca sua gangue durante uma entrevista que eles estvam concedendo a Ibe. Na investida, eles capturam Skip, Ash e Eiji, assistente do jornalista. Eiji consegue escapar, mas os outros dois estão correndo um grande perigo!!

Banana Fish começa já de cara apresentando o mistério principal da obra. Temos os soldados norte-americanos contando os dias para saírem do Vietnã, um deles, Griff, que tinha saído para mijar, volta e atira em seus colegas, matando três. Quando os outros conseguem desarmá-lo, ele só consegue falar Banana Fish. Mudando para o personagem principal, encontramos Ash seguindo uns membros de sua gangue que tentaram assassinar um homem. Esse homem murmurra a Ash: “encontre… banana fish…” e lhe entrega um pingente com uma droga. Com isso Ash tem uma dica que Dino, um mafioso para o qual ele e sua gangue prestam serviços, tem ligação com o que aconteceu com seu irmão Griff.

À frente na história, somos apresentados às personagens que fazem o elo de ligação entre personagens do passado no Vietnã, a gangue do Ash e os policiais que atuam na cidade. O jornalista japonês Ibe e seu assistente Eiji foram para Nova Iorque para realizar uma reportagem sobre as gangues de adoslescentes da cidade. Pode não parecer, mas Ash tem somente 17 anos. Infelizmente isso faz com que um tanto de história seja motivada por alguns personagens quererem estuprar Ash, o que incomoda a leitura, apesar do Ash sempre responder e não baixar a cabeça a essas pessoas.Ash é um garoto inteligente, que procura organizar seus pensamentos e pensar à frente, como L de Death Note (ou melhor dizendo, L pensa um tanto como Ash, já que Banana Fish é mais velho que Death Note).  Mas ele enfrentará algumas dificuldades, principalmente quando for preso por um crime que não cometeu.

Alguns comentários acerca da obra. Assim como muitos boys love, um tanto da narrativa acontece por causa de estupros, seja alguém falando que deseja estuprar o outro, ou cometendo o ato. Eu sinceramente acho isso um tanto pobre, mas nem foi a parte que eu tive mais nojo, e sim a corrupção do sistema para ajudar o mafioso, isso e um dos policiais utilizar o abuso sexual que o Ash sofreu durante a infância para incriminá-lo. Honestamente, espero que essas partes diminuam nos volumes seguintes, pois a história de Banana Fish tem muito mais a apresentar do que ficar apertando na tecla de estupro.Outra coisa que incomodou um pouco foi a tradução deixar algumas palavras em inglês nos balões. Entendo que é para diferenciar quando no original japonês estava escrito em inglês ou não. Na apresentação de uma personagem “My name is Eiji” a edição mostra o balão com outro letramento, mas não quando é um simples “Bye Eiji”, que tem o mesmo sentido. A edição brasileira também optou por manter as notas de tradução na mesma página em que ocorrem. Eu estranhei um pouco, já que estava acostumado com os glossários da Panini ao final do volume, e algumas decisões não foram tão boas, como as primeiras páginas que apresentam um mapa do Vietnã, e as notas se confundem um pouco com o fundo do mapa.

Banana Fish teve um boom de popularidade em 2018 com a publicação de uma série animada, disponível na Amazon Prime Vídeo, e em 2020 pudemos ter o material original para leitura, através da publicação da Editora Panini. A versão da Panini compila cada 2 volumes em 1, sendo uma edição Big. O mangá é publicado bimestralmente (já temos o volume 2 nas bancas), possui papel offset, veio acompanhado de um marcador da série, e preço de R$46,90.Onde comprar:Volume 1 AmazonVolume 2 AmazonVolume cedido gentilmente pela editora.

Fontes:MangaUpdates
Guia dos QuadrinhosMangás Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.