MB Animações:Dragon Ball GT é mesmo tão ruim assim? – Resposta: Não!

Recentemente, mais precisamente no dia 07 de fevereiro, completaram-se 25 anos que Dragon Ball GT  foi ao ar pela primeira vez no Japão. E no aniversário da série, fiz uma postagem no meu Instagram (me adicionem lá, só clicar aqui) falando sobre o quanto eu gosto da série e como eu a considero, em vários pontos, melhor que o próprio Dragon Ball Super. Consequentemente, recebi várias mensagens discordando, e algumas poucas concordando com o que eu havia dito. Antes de iniciar de fato, preciso esclarecer que Dragon Ball é a minha franquia favorita, seja em mangá, anime, ou qualquer outra mídia, se tem DB no meio, tem meu interesse. Já assisti todas as séries, todos os filmes, especiais de TV, OVA’s (até aquele do DB clássico onde os personagens dão dicas de como agir durante um incêndio), e li todos os mangás da história principal (DB e DBSuper), além de alguns spin-offs. Não quero afirmar que sei mais que você que está lendo o texto ou que qualquer outra pessoa. O que quero dizer é que já consumi coisa da franquia o suficiente para ter uma opinião bem embasada e justificar meus argumentos. Outra coisa, comparações com Dragon Ball Super no decorrer do texto serão comuns, já que ambas as séries são continuações da fase Z, por mais que o GT não seja considerado canônico.

Eu acredito que existem dois tipos de pessoa que criticam Dragon Ball GT: Aquela que realmente assistiu à série e não gostou, afinal, isso é algo que acontece. E aqueles que de tanto ouvir os outros criticarem e dizerem que a série é ruim, pegaram ranço do anime, tipo aquele ditado, “uma mentira repetida inúmeras vezes torna-se verdade”. Mais ou menos como o que aconteceu com a famosa lenda urbana da internet de que o plantão da Globo interrompeu a transformação do Super Saiyajin 3 pra falar do atentado de 11 de setembro. 

O “GT” de Dragon Ball GT significa algo como “Grand Tour” ou “Gran Turismo”. Existem boatos que isso também é um trocadilho pedindo desculpas ao Toriyama por criarem mais uma série de DB, mas nada nunca foi confirmado. A intenção era fazer uma série um pouco mais leve e mais puxada para o humor, exploração e aventura, tentando recriar  a atmosfera da fase clássica de DB, porém em vez da história se passar na terra, iria se passar no espaço, com Goku, Trunks e Pan viajando e desbravando vários planetas à procura das Esferas do Dragão para tentar reverter a trapalhada que o Pilaf fez, que além de transformar o Goku de volta em criança, ainda colocou a humanidade em risco de extinção. Considero isso um acerto, pois por mais que o arco da exploração do universo realmente não seja o ponto alto do anime. Existem planetas nesse arco que eu considero bem bonitos artisticamente, esse tipo de marmota é exatamente o que o Pilaf faria, quem já assistiu a série clássica ou leu o mangá, sabe que o que eu estou falando é verdade. O arco inicial não é tão bom, tem seus momentos engraçados mas é fraco. Contudo, o contexto inicial que escolheram pra série é muito bom, justamente por causa do “Imperador” Pilaf.

Eis o culpado de tudo“DBGT é lixo, o Super é muito melhor e é canônico”. Já ouvi/li muitos comentários do tipo, muitas dessas pessoas, ainda criticam o fato do Goku ter voltado a ser criança, criticam o Vegeta de bigode (que é de fato engraçado) e falam que o Trunks não é nada parecido com o Trunks apresentado no DBZ. Apesar do Goku ter voltado a ser criança no GT, a personalidade dele continua a de um adulto, é verdade que Goku sempre foi meio bobinho, mas o Goku de DBS é em muitas ocasiões, burro. O Goku GT age como adulto num corpo de criança, e o do Super age como criança num corpo de adulto. Sabemos que Goku não chega nem perto de ser do tipo romântico, mas lembram da cena em DBS onde Goku tinha dito que não sabia o que era um beijo? Talvez até fosse cômico se o cara não fosse casado e não tivesse dois filhos. Além do mais, age inapropriadamente diante da presença do Zen-Oh, apenas pra citar dois exemplos. Forçaram demais a barra no comportamento dele diante do Zen-Oh, um ser que simplesmente pode extinguir o universo se ficar irritado. O Goku clássico sempre foi bem humorado e alegre, mas sabia reconhecer quando deveria alterar sua postura. Não consigo engolir um Goku que coloca toda a humanidade que ele tantas vezes defendeu, em risco, apenas para participar de um torneio, desculpem. 
Sobre o famigerado bigode do Vegeta, o crescimento de cabelos e pelos nos Saiyajins sempre foi algo um pouco confuso dentro das séries, pois já disseram que tal crescimento não ocorre, mas nunca foi especificado se tal limitação servia apenas para o couro cabeludo ou incluía barba, bigode e etc. O natural obviamente seria pensar que nenhum tipo de pelo cresce no corpo deles. Mas vamos considerar que sim, já que alguns personagens como o Nappa e o Rei Vegeta possuem pelos faciais. Mesmo assim, muitos fãs aproveitaram isso para criticar o estilo peculiar do Vegeta em DBGT. Mas eis que em DBSuper, tanto Vegeta quanto Goku, aparecem de barba e bigode após retornarem de um longo treinamento, colocando abaixo a narrativa de que “o GT não segue as regras do próprio universo da obra”. Não posso afirmar que isso é um erro, pois como disse, Nappa e Rei Vegeta possuem bigode e afins, mas se for, o Super errou exatamente na mesma coisa pela qual tanto crucificaram o GT. E é bom ressaltar que depois de um certo ponto, o Vegeta raspa o bigode na série. 
O Vegeta de DBGT pode ser ridicularizado por muitos por conta da aparência, mas ele continua agindo como o mesmo Vegeta que conhecemos no mangá clássico e na série Z. Já o do Super, eu diria que também age de acordo com o que esperamos do personagem, inclusive ele se mostra mais centrado e menos esquentado, o que é legal para o desenvolvimento do personagem. Mas não se esqueçam que o Vegeta aparece no Super, em uma certa ocasião com uma CHUPETA na boca. Existe um contexto por trás, mesmo que horrível (aliás, aquele mini-arco todo é horrível), mas não deixa de ser uma chupeta.

“O Vegeta do DBGT tem bigode, isso não existe.”Eu achei muito legal a adição da Pan na série, mesmo que ela seja uma personagem bem chatinha e dê muito chilique, foi interessante e válido colocá-la pra explorar a galáxia junto do seu avô. Eu também gosto bastante da aparência dela.
Muito se fala de como o Trunks do GT não é imponente, e nem aparenta ser aquele mesmo Trunks que matou o Rei Cold, fatiou o Freeza e posteriormente voltou para o seu tempo e ainda matou o Cell que lá habitava. De fato, eu também não acho o Trunks do GT interessante, e esse é um dos pontos que muitos dos críticos de DBGT gostam de apontar. Porém o Trunks do Super também deixa muito a desejar nesse aspecto. Apesar de o Trunks do Super usar a espada, a atitude dele em nos combates é bem diferente do que se espera do filho do Vegeta. Pode ser que tenham tentado humanizar o personagem, mas isso não funciona quando já fomos apresentados à um Trunks muito mais legal e poderoso. 

Da esquerda para a direita: Z, GT e SuperOs principais arcos de DBGT são:                     1- Arco da Viagem pelo Universo2- Arco do Baby3- Arco do Super 174- Arco dos Dragões Malignos
Os principais arcos de DBS são:1- Recapitulação dos filmes Batalha dos Deuses e Vingança de Freeza2- Torneio entre os universos 6 e 73- Arco do Goku Black/Zamasu4- Arco do Torneio do Poder
Os arcos iniciais de ambos animes são fracos, mas ainda prefiro o do GT por ser algo original. O GT tentou iniciar com algo diferente, não foi tão bom quanto gostaríamos, mas tentou. Já o Super nem tentou. o Super a Toei simplesmente recontou no anime, com uma animação medonha, dois filmes que tinham acabado de sair, e isso ocupou praticamente os 27 episódios iniciais da série. Quando alguém me pergunta se vale a pena assistir o Super, eu respondo para a pessoa assistir os dois primeiros episódios, pois é muito legal ver o Vegeta cumprindo a promessa de levar o Trunks no parque, assistir os dois filmes citados acima e partir para o episódio 28, que é onde a história realmente começa. 
O arco do Baby em DBGT eu considero um dos melhores da série, pois todo o contexto é muito bom. Um Tsufurujin rancoroso pelo massacre que os Saiyajins fizeram com o seu povo no passado (inclusive esse é o plot do arco atual no mangá de DBS), cria uma forma de vida chamada de Baby, que possui a habilidade de assumir o corpo das pessoas. E é muito legal ele usar justamente o Vegeta, um Saiyajin para destruir toda a raça humana. Provavelmente o Baby Vegeta foi baseado no Majin Vegeta, mas tanto o visual, quanto as transformações do personagem são muito legais. E é nessa saga, que ocorre uma das transformações mais legais da série (opinião pessoal), que é o Super Sayajin 4. O conceito do SSJ 4 é muito bom, é literalmente todo o poder do Oozaru canalizado e sob controle do Goku, já que na série clássica o Oozaru proporciona uma força descomunal, mas o personagem transformado perde o controle de suas ações. Dentro de todo o contexto da franquia DB, tal transformação faz mais sentido que a transformação de SSJ Deus da série Super, além do SSJ 4 visual ser fantástico. Já o arco do torneio entre o 6º e 7º universo em DBS é fraco. Os personagens do 6º universo são em sua maioria desinteressantes, com exceção do Hit e do Frost (que tem um visual legal mas é um fracote). O ponto alto do torneio é a luta entre Hit e Goku, que é um momento onde o Goku se supera mais uma vez, além de ter sido muito bem animada. Devo admitir que foi uma boa luta. Particularmente também gostei da luta do Vegeta contra o Kyabe. Mas de resto, é bem esquecível.

Baby Vegeta SSJ2 e Goku SSJ4 são imponentes e marcantesApós o arco do Baby, temos o arco do Super Andróide 17. Eu gosto do arco, acredito que mais por conta das lutas e do visual do vilão, mas tenho plena consciência que o plot do arco não é bom. Ele não é de grande relevância da série, o ponto alto do arco na minha opinião é o Goku finalizando o Super 17 com o Golpe do Dragão. Em contrapartida, no DBS temos a saga do Goku Black, que na minha visão era o arco com maior potencial na série, mas duas coisas atrapalharam: a qualidade da animação e a conclusão do arco. A atmosfera é sombria, e envolve coisas como universos paralelos e viagem no tempo, o que eu achei muito legal. O Zamasu não é um personagem supreendentemente original, mas é interessante o suficiente para deixar os espectadores curiosos. Contudo, houveram poucos episódios que foram de fato bem animados. Sei que um anime semanal não vai manter um alto nível de animação em todos os episódios, o GT, o Z e o DB clássico também passavam por isso, mas a coisa foi tão crítica em DBS que o próprio Toriyama fez reclamações, e ele cita isso na introdução do livro de DB: 30th Anniversary History Book. Certamente que houveram momentos onde a animação foi boa, como por exemplo quando o Vegetto SSJ Blue aparece, onde o animador foi Naotoshi Shida, mas esses momentos são a exceção e são discrepantes do restante do arco. O final também foi bem desanimador, sei que muita gente gosta, mas não consegui engolir o Trunks fazendo uma Genkidama em sua espada para tentar finalizar o Zamasu. Simplesmente não faz sentido. O anime tenta dar uma explicação, mas não é nada convincente. O Goku teve que treinar no planeta do Senhor Kaioh para utilizar tal técnica, aí do nada vem o Trunks apenas com a “força de vontade e determinação” e faz uma? E nem é a genki convencional, como eu disse, é na espada dele, gente. NA ESPADA! Não dá, não… Felizmente o arco do Goku Black é consideravelmente melhor no mangá, mesmo que seja mais curto e o desfecho de um modo geral seja o mesmo, não existe o problema da animação ruim (por motivos óbvios), e existem algumas mudanças bastante positivas, inclusive na conclusão do arco.
Por fim, temos o arco dos Dragões Malignos, que possui um plot excelente. De cada uma das sete esferas surgiu um dragão do mal, fato atribuído ao uso exagerado das sete esferas do dragão. Basicamente um efeito colateral causado pelo contínuo e inconsequente uso das mesmas por parte dos personagens da série. Convenhamos que é uma ideia bem legal, é como se a “conta” por ter abusado tanto do poder das esferas tivesse chegado. A maioria dos dragões malignos são toscos, é verdade. Mas os dragões de gelo, fogo e o de 1 estrela são legais, principalmente esse último, que é o grande vilão do arco. Ele é imponente, além de possuir uma segunda forma, ainda mais poderosa. É nesse arco também que vemos o Gogeta SSJ 4, imponente, arrogante e ao mesmo tempo brincalhão. É um momento marcante da série, isso é inegável. A luta ente Gogeta e o dragão maligno de 1 estrela é muito boa, e o final do arco é bom. Não é nada tão diferente do que já vimos antes, mas funciona bem.Já no Super temos o arco do Torneio do Poder, que é realmente o ponto alto do anime. E é nesse arco que a qualidade da animação finalmente melhora, infelizmente isso levou mais de 80 episódios para acontecer. O arco do torneio possui lutas realmente muito boas, e momentos marcantes. Claro que há as lutas mais fracas, assim como acontece no arco dos Dragões em DBGT, há bons e maus momentos dentro da saga, mas no geral, as lutas são sim muito boas, como a luta entre Goku e Kefla, Vegeta e Toppo e a luta final entre Jiren contra o time formado por Goku, Andróide 17 e Freeza, luta essa que causou comoção mundial, chegando a ter transmissões do episódio em locais públicos ao redor do mundo, inclusive no Brasil. Devo reconhecer o mérito da série nesse ponto. Foi o arco de DBS em que mais me diverti e menos me frustrei. O 17 ter sido o vencedor também foi algo que me agradou muito, é legal dar palco à alguns outros personagens que não sejam o Goku e o Vegeta. Sinto falta de ver o Piccolo, Tenshinhan, Kuririn e Yamcha, por exemplo, em ação como nos velhos tempos. Em suma, ambos arcos finais de cada anime são muito bons.

Estátua colocada em homenagem ao Goku após a sua partidaDBGT possui um final excepcional, muitos daqueles que batem o pé e alegam que a série é um lixo, concordam que o final é emocionante e bem feito. O narrador falando sobre a vida de Goku, a música de abertura tocando ao fundo, Goku se despedindo e indo embora com o Shenlong, e o Vegeta dizendo para a Pan guardar a roupa que Goku deixou para trás com muito carinho. Ainda mostram o espírito do Goku vários anos depois, vendo o seu tataraneto lutar no torneio de artes marciais e a Pan já bem velhinha. Essa sequência derruba qualquer marmanjo, e se esse fosse o final definitivo da franquia, eu não reclamaria nem um pouco, é maravilhoso. É bom ressaltar que a abertura de DBGT é uma das mais icônicas já feitas, até quem não gosta de DBGT ou de DB como um todo, conhece e gosta da abertura. Por outro lado, por mais que o anime de DBS tenha acabado, houve uma continuação em forma de filme, onde canonizaram o Broly e o Gogeta (o filme é muito bom, assistam). Além disso, o mangá continua sendo publicado e conta com um arco inédito no anime, o arco do Moro. Eu realmente achei o arco do Moro muito bom, não gostei tanto do desfecho final mas me diverti lendo. E acabou de ser iniciado o arco do Granola, que aparentemente vai trabalhar melhor o arco do massacre dos Tsufurujins. Confesso que tenho um pouco de medo do rumo que a história pode tomar mas no geral estou bem empolgado, acho que pode ser bem interessante se bem feito.
O meu objetivo com esse texto não foi tentar te forçar a gostar de DBGT caso você não goste, ou tentar diminuir o DBS e exaltar o GT. Mas é que de fato acho que o GT é injustiçado, como eu disse, muitas das coisas que criticaram no GT estão presentes no Super, mesmo que de uma forma um pouco diferente, mas estão lá. Mesmo assim parece que a fanbase faz vista grossa. Coisas como o Super Saiyajin 4 e a trama por trás do arco dos dragões, por exemplo, parecem ser simplesmente jogadas de lado pelos fãs apenas por pertencerem à uma série spin-off que tem fama de ruim, mesmo tendo um conceito tão interessante e coerente com o universo da franquia. O meu objetivo aqui é dizer que de fato, GT não é perfeito, mas existem coisas muitas coisas boas nele. Existem pontos altos e baixos, assim como o Super. Dragon Ball GT não é uma série apenas de baixos. Se me perguntarem qual a nota que eu daria para a série, respondo tranquilamente 7,5 em 10 é justo. Não concorda com algo do texto? Vamos debater, comentem aí!

Espero que tenham lido até aqui e tenham gostado. Até uma próxima!!! 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.