MB Review: Estranho à Beira-Mar

Hashimoto Shun é um escritor iniciante que se mudou para a ilha de Okinawa depois de se assumir gay para a família e terminar seu noivado com a filha de um amigo de seu pai. Chibana Mio  é um estudante melancólico do ensino médio que passa o tempo olhando o mar e perdeu os pais ainda muito jovem. Os dois passam algum tempo juntos na ilha, mas logo Mio se muda para longe. Três anos depois voltam a se encontrar e o romance entre irá se acender.

Shun mora em um quarto alugado na pousada da vovó. Escreve livros e ajuda em diversas tarefas para ela, como entregar pães, e em pequenos concertos na propriedade. Ele veio para a ilha há três anos e nunca pensou em sair.

A vida local é bem comum e calma, até que Shun se sente atraído pelo estranho menino que passa suas tardes sentado de frente para a praia, como uma melancólica estátua.

Mio perdeu os pais em um acidente e observar o pôr do sol sentado no banco à beira do mar traz uma sensação nostálgica e de proximidade a sua falecida mãe. Está cansado de receber olhares de simpatia e tristeza por todos, o que leva a maus entendidos nas primeiras conversas entre os dois.

Os dois passam a se encontrar com certa frequência, porém Mio sente-se fora do controle de sua vida e ainda precisa se conhecer. Ele deixa a ilha com a promessa de entrar em contato com Shun, mas não o cumpre.

Após três anos, Shun não esperava voltar a ver o garoto que chamou sua atenção no passado, mas Mio retorna, agora dono de si mesmo e pronto para o próximo passo.

A primeira coisa que me incomodou em Estranho à Beira-Mar foi o retorno de Mio com sua atitude “agora eu sou adulto” e “eu posso fazer qualquer coisa sozinho”. Como se chegar a maioridade lhe trouxesse uma maturidade mágica da noite pro dia.

Talvez, se o conflito sentido pelo garoto no primeiro capítulo tivesse sido mais explorado, não teria me incomodado tanto e deixado a impressão de uma solução rápida para seguir com a história.

Então, no primeiro capítulo temos os dois se encontrando, mas do primeiro ao segundo o distanciamento e então o reencontro. Por conta disso, o romance inicial, aquele desenvolvimento bonito de um relacionamento, fica cortado, fraco e vago. O que me deixou um pouco insatisfeita, mas isto diz mais sobre as minhas expectativas com um romance do que qualquer outra coisa.

“Tanto eu quanto você, nossos interesses amorosos são do mesmo gênero que o nosso. É só isso. Mas por que isso é algo tão estranho na visão da sociedade?”

Sem mais ressalvas… O romance entre os protagonistas tem uma vibe típica: “Se você ama alguém, deixe-o livre. Se ele voltar, é seu. Se não, nunca foi”. O que torna o envolvimento dos dois leve, fofo, bem água com açúcar. Possui duas cenas NSFW, mas nada que tome muito tempo, afinal estamos falando de um volume criado para ser único e com apenas 4 capítulos.

Estranho à Beira Mar (Umibe no Étranger) é uma criação de Kii Kanna, lançado no Japão em 2013 e no Brasil em 2022, pela NewPOP Editora. Em 2020, foi lançada uma adaptação para anime. Você pode conferir o review do filme aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.