MB Movies: Confusão em dobro (1989)

 

Em Confusão em dobro (“Shen yong shuang mei mai“, no original) acompanhamos a história de duas primas que não se dão nada bem, a enfermeira Liang Shanbo (interpretado pela atriz Carol ‘Do Do’ Cheng) e a atriz Zhu Yingtai (interpretado por Maggie Cheung). Certo dia elas recebem a notícia que herdaram um apartamento depois que seu avô faleceu, sendo que uma cláusula do testamento exige que as duas convivam no mesmo teto por 24 horas para poder receber a sua parte da herança. Pra piorar, quando elas se mudam pra lá descobrem que um quarto foi alugado para um homem misterioso chamado Ben. Numa noite, Ben retorna para casa, porém todo ensanguentado, antes de morrer ele sussurra um código no ouvido de Yingtai. O que esse código significa? Por que o Ben foi assassinado? Agora cabe as primas deixarem as desavenças de lado por um momento para se unirem e ajudar uma a outra a escapar dessa misteriosa onda de assassinatos pelo segredo que o Ben guardava.

Apesar do diretor Jing Wong possuir em seu currículo filmes dos mais variados gêneros e estilos como por exemplo: “Máscara da Morte”, “Em nome da Honra”, “Zhang: o Bárbaro” e “Garras de Aço” (estes ambos estrelados pelo ator e artista marcial Jet Li), creio que o diretor é mais conhecido pela pérola da adaptação liveaction do mangá City Hunter, com o Jackie Chan no papel principal (impossível esquecer a cena do Jackie Chan de cosplay de Chun Li).

Em Confusão em Dobro temos um bom entretenimento, total nível sessão da tarde, em que as primas Liang e Yingtai brigam constantemente e disputam rapazes bonitos, o que rende vários momentos cômicos e divertidos, sendo a atuação das duas atrizes o ponto alto do filme. Porém, ao mesmo tempo que muitas cenas divertem, outras são de causar vergonha alheia, então se você não tiver a mente aberta na hora de assistir vai acabar dropando o mesmo na metade. No meu caso relevei certas situações, pois estamos falando de um filme de 1989, então alguns momentos são compreensíveis e até esperado para um filme dessa época.



O filme possui algumas cenas de ação mas não espere lutas longas e bem feitas no nível de “O Cristal Mágico” por exemplo, que é do mesmo diretor, até porque o foco maior do filme é o humor e as personagens são apenas pessoas normais sem nenhum treinamento em artes marciais. Durante a trama ainda temos várias reviravoltas, sendo algumas previsíveis e outras não (principalmente a revelação dos segundos finais que, pelo menos pra mim, jamais pensaria naquilo). Mesmo com alguns defeitos, o filme cumpre o seu papel de entreter assim como um bom e velho filme de sessão da tarde, reforçando novamente é preciso desligar o cérebro por um momento para aproveitar melhor o mesmo, caso faça isso garanto que dará algumas boas risadas e ajudará passar o tempo durante essa pandemia. O filme está disponível de forma oficial no serviço de Streaming Netflix.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.