MB Classic: Groove Adventure Rave

Os anos 90 foram maravilhosos para os fãs de mangás e animes. Foi a época em que diversas obras impactaram a indústria, sendo que muitas destas fazem sucesso até hoje tanto no oriente quanto no ocidente. No final dessa década, surgiu um jovem mangaká que se tornaria um dos mais influentes até hoje, graças a sua paixão por games e fantasia. Estamos falando de Hiro Mashima e no MB Classic de hoje falaremos da sua primeira grande obra. Groove Adventure Rave, mais conhecido como Rave Master.

Serializada na famosa Weekly Shounen Magazine da editora Kodansha entre 1999 a 2005, Rave rapidamente se tornou um dos pilares da revista, sendo um dos grandes fatores para isso os seus personagens, além da narrativa bem característica do mangaká, onde o poder da união e amizade supera qualquer desafio.

A história de Rave Master começa no clímax de uma guerra entre as forças do bem e do mal. O portador de uma pedra da luz conhecida como Rave está prestes a destruir a pedra da escuridão. Porém ao dar o golpe final, nada sai como planejado e ambas são destruídas. A explosão ficou conhecida como Overdrive e acabou com 25% do planeta. 

50 anos se passaram e o foco agora é nosso protagonista, Haru Glory, que acaba herdando a missão de recuperar os fragmentos da Rave e lidar contra aqueles que querem recuperar os fragmentos da pedra da escuridão, conhecida como Dark Brings. Começa então uma batalha memorável e cheia de reviravoltas.

Rave começa de forma “diferente”, em um mundo bem criativo onde flores falam e tem um mascote muito estranho com nariz de casquinha de sorvete. As batalhas também começam de forma desconexa. Você sabe que Haru tem que recolher os fragmentos da Rave, mas não fica claro tudo o que está acontecendo. A primeira parte, onde Haru conhece Ellie, uma garota que não se lembra do seu passado, é totalmente bagunçada e a obra só começa a melhorar mais para frente, onde somos apresentados a Musica, um manipulador de prata e aprendiz de ferreiro. A partir deste arco, a história muda muito, consagrando Hiro Mashima como um mangaká de sucesso.

O traço é uma assinatura do mangaká, com personagens sorridentes e personagens femininas sensualizadas, além de um universo que mistura elementos modernos, como carro e naves, com uma pegada mais fantástica, com monstros e guerreiros, em uma mistura bem divertida, característica do Mashima.

As referências que Rave Master teve em outras obras do autor são claras, desde alguns termos e nomes de personagens que reaparecem em Fairy Tail até algumas batalhas tanto em Fairy Tail quanto em Edens Zero que tiveram clara influência desta obra, assim como a “Party” principal, embora aqui o grupo era composto de três pessoas, diferente das outras obras de Mashima.

O grande problema da obra é o seu final. Com um clímax muito bem elaborado depois de diversas sagas interessantes e empolgantes, a sequência final é desapontadora, repleta de diversos clichês que são despejados aleatoriamente, desapontando muitos fãs. 

Tirando o início confuso e o final desapontador, Rave é uma obra gostosa, que ajudou muito Hiro Mashima a se tornar referência no meio e se aprimorar até o que foi implementada como a narrativa de Fairy Tail, sua obra mais conhecida.

A obra ganhou uma adaptação em anime, que foi exibida originalmente no Japão em 2001, com 51 episódios cobrindo 12 dos 35 volumes da obra e, devido a isso, fica sem um final claro. No Brasil a obra ficou mais conhecida por sua animação, que passou em 2006 na Cartoon Network e na TV Diário em 2008, mas não fez grande sucesso por aqui, pois veio em uma época onde canais já estavam investindo menos nesta mídia de animações japonesas. Ainda assim agradou por sua dublagem feita pela Álamo, suas trilhas sonoras, com destaque às aberturas e encerramentos, e sua animação, feita na época pelo Studio Deen.

Groove Adventure Rave, ou Rave Master, é uma obra que tem muito carinho dos fãs de Hiro Mashima, autor que já conta com quase toda sua bibliografia publicada aqui no Brasil pela editora JBC. Porém, os 35 volumes que compõem a história são algo que podemos considerar como uma obra extensa, e portanto difícil de vir para cá, apesar de não ser nem perto da quantidade de volumes de Fairy Tail.

E aí? Vocês acompanharam Rave Master? Eu adorava quando passava no Cartoon. Deixe seus comentários nas nossas redes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.