MB Webtoon: DICE – The Cube That Changes Everything

Eu raramente escrevo sobre Webtoons, não por que não gosto, pelo contrário, sempre me pego lendo diversas obras deste estilo, mas é que falar sobre esse tipo de mídia demanda não só uma Review sobre a obra, mas também o “esmiuçar” de todo seu contexto. 

Porém, recentemente, terminei uma trama nesse estilo que me chamou bastante atenção. Talvez porque ela seja, de forma cruel, bem explícita sobre o desejo humano de pertencer, invejar e se sentir superior. Afinal, quem nunca durante a vida quis estar no lugar de alguém em uma posição acima ou sentiu inveja de uma pessoa por sua beleza. 

Uma situação relativamente “normal”, que todos vamos passar na vida, mas… E se você, de fato, conseguisse mudar sua aparência ou aquilo que você não gosta em você? Seja sua personalidade ou talentos, existiria a probabilidade de sua vida ser melhor? Ah, e por falar em probabilidade, não esqueça que a vida é um jogo de dados. Bem-vindo a resenha de hoje.

DICE: The Cube That Changes Everything, ou simplesmente “DICE”, é um webtoon escrito e ilustrado por Hyunseok Yun. Ele foi publicado pela primeira vez no leitor “Naver Webtoon” em 18 de dezembro de 2013, sendo um dos primeiros webtoons a receber uma tradução em inglês no lançamento do Line Webtoon, em julho de 2014.

A história gira em torno da vida de Dongtae, um desafortunado garoto de 17 anos que sofre bullying constantemente por outros rapazes de sua escola, tornando-o uma pessoa depressiva, com baixa auto-estima e ansioso por encontrar alguma solução para os seus problemas. Um dia, logo depois de conhecer um aluno transferido, ele é “acidentalmente” foi introduzido ao DICE (dados com poderes mágicos) que seria a sua “oportunidade de mudar” aspectos em sua vida pessoal. 

– A narrativa

A trama tem como base a utilização do sistema “RPG” onde, pelo menos no começo, o jogador (no caso, Dongtae) tem que completar algumas missões que são enviadas pelo administrador, denominado X, para que consiga pontos (dados) e possa mudar seus atributos.

Algo interessante é que, com o passar do tempo na trama, as denominadas missões que chegam aos participantes começam a se tornar cada vez mais “moralmente” questionáveis, o que levanta a discussão “até onde você vai para se sentir bem?”. Seja em qualquer âmbito da sua vida, a narrativa expõe o lado mais egocêntrico da humanidade, a determinação para alcançar o topo da beleza ou sucesso estudantil, e algo interessante é que onde a obra se passa (Coreia do Sul) o sistema educacional é um dos mais rígidos e a narrativa utiliza disso para colocar os jovens em uma questão onde, quando programados para seguir o sistema e desviam dessa curva no momento em que adquirem o poder, os mesmos começam a “enlouquecer”.

Algo digno de elogios é a evolução, não só do personagem principal, mas também dos secundários e do entendimento da possível entidade principal da série, X, que apesar de ditar as regras, num primeiro momento, parece ser imparcial mas que conforme a narrativa avança, ganha cada vez mais camadas. Suas relações, desejos e o motivo por trás do jogo, tudo é bem arquitetado. 

As relações que Dongtae tem durante a trama com outras pessoas levanta muitas vezes questionamentos morais, sobre o padrão estético e a valorização do etnocentrismo. Cada pessoa tem algo que odeia em si, ou nos outros, e que por mais civilizados que sejamos, existe uma linha tênue entre nossos desejos e nosso racional e a narrativa trabalha isso durante todo momento.

Apesar de toda a questão moral, vale ressaltar que seu foco principal ainda é a ação. É uma trama em que o intuito é vencer as adversidades, o que futuramente leva a construção de um antagonista. Então, por mais que a proposta, a princípio, toque em temas interessantes, o enredo ainda pesa pro lado genérico das lutas, o que de qualquer forma não é algo ruim, já que esse é seu propósito, e DICE consegue, com maestria, entregar momentos de suspense, tensão e clímax, tudo isso atrelado a uma ambientação moderna e que remete bem ao lado irracional que um sistema tão estruturado e rígido pode acarretar na população.

– Vale a pena?

“DICE”, para mim, se tornou um dos melhores Webtoons de ação que já li, por mais simplório que sua narrativa possa ser a princípio ela também consegue adquirir uma carga moral e de reflexão bem grande. As relação entre padrões estéticos criados pela mídia, e como eles são empregados nas cabeças dos jovens fazendo com que, caso eles não se encaixem, se tornam fracassados, é bem recorrente por toda a obra. Ela foca bastante no cenário hipotético de que “o sonho do oprimido é virar o opressor” e esse conceito permeia bastante todos os personagens apresentados.

A trama é divertida e, por mais maçante que pareça ser no começo, ela entrega dinamismo nas cenas de ações e conta com uma bela arte do autor, o que favorece ainda mais o carisma que a obra tem. Em uma breve passagem, sem spoiler, ela consegue de forma bela criar um antagonista principal em que você consegue de fato se identificar com certas atitudes, por mais irreais que pareçam (quem nunca sentiu inveja, afinal?). Em resumo, vale a leitura.

“Em meio a vasta imensidão do universo, eu percebi que Deus não joga dados” – Anônimo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.