MB Review: Horimiya – Amor e segredos

Em setembro de 2021, Horimiya foi anunciado aqui no Brasil. Na época, um mix de sentimentos me tomou por completo, variando entre a nostalgia e a euforia de finalmente ter a obra em versão física. O tempo passou e, bem, cá estamos para falar desse primeiro volume!

Após ler esse primeiro volume, acho que ele compila e descreve muito bem o que, de fato, essa trama é, de forma cômica e até que bem romântica…


Horimiya (Hori-san e Miyamura-kun) é um mangá escrito por HERO e ilustrado por Daisuke Hagiwara, sendo a adaptação da webcomic original de mesmo nome, escrita e ilustrada por HERO. Serializado na revista GFantasy Magazine, da editora Square Enix, o mangá foi concluído com 16 volumes. No Brasil, a obra é publicada pela editora Panini

O primeiro volume conta com 6 capítulos + um extra e apresenta a história de Hori-san, que à primeira vista faz o tipo patricinha, mas na verdade é uma garota simples e prendada; e de Miyamura-kun, que na escola emana um ar negativo com seus óculos e aparência sem graça, quando na verdade tem outra persona fora do ambiente estudantil. O que acontece quando o acaso faz com que esses dois, que parecem ser tão diferentes, mas têm tanto em comum, se encontrem?!”

A narrativa 

A princípio, a trama aparenta ser apenas mais uma comédia romântica derivada das revistas Shōnen, onde o acaso os fazem viver momentos cômicos e que favorecem a construção do casal, por mínima que seja. Porém, em Horimiya, a narrativa é um pouco fora dessa curva, diferente dos romances dessa demografia, pelo menos nesse primeiro volume. Horimiya aborda um lado mais centrado nas emoções e conflitos internos dos personagens para promover a relação deles e a construção de um ambiente social de forma mais realista. 

Miyamura demonstra no colégio ser um aluno pessimista e introvertido, o que afeta suas relações com outros personagens, sendo muitas vezes mal falado e (por mais que isso fique implícito nesse momento) vítima de bullying, o que corrobora ainda mais para o seu “fechamento” com o mundo. Até que ele acaba por se envolver com Hori, uma garota que a princípio demonstra ser totalmente polar a persona de Miyamura, e esse encontro não ocorre de forma extravagante e inusitada, mas de forma simplória e calma, como de fato deveria ocorrer, e o que favorece ainda mais a comédia na simplicidade, sendo uma marca registrada do gênero “slice-of-life”.

Algo interessante de se citar nesse primeiro volume é a questão da introdução dos personagens secundários, que num primeiro momento ganham um foco quase tão importante como os personagens principais. Alguns clímax para suas atitudes são bem desenvolvidos, o que garante um bom aproveitamento e ótimas punchlines para se desenvolver os elementos de humor e de possíveis correlações amorosas para os próximos volumes. 

O humor da trama (pelo menos até aqui) é bem tênue, algo não tão extravagante, mas um pouco mais realista focado nas ações dos personagens ao seu redor, o que remete bastante à carga colegial. A história também trabalha de forma segura assuntos sérios sem pesar demais para negatividade, e sendo um pouco mais realista, onde os personagens riem da própria situação, além de conter momentos de grande clímax, onde a narrativa deixa uma bela ponte para sua sequência.

Vale a pena?

O primeiro volume da obra serve como introdução para o contexto total da narrativa, apresentando nesse momento o início de um desenvolvimento simples e feito com maestria de dois personagens que, em primeira instância, são bem diferentes, mas que logo aprendem mais sobre si, e que guardam segredos e personalidades que somente os dois sabem, fugindo um pouco da generalização que o gênero romântico sofre.

Além disso, a trama desperta bastante a nostalgia colegial, e isso graças à bela ambientação desenhada por Daisuke, que utiliza uma estética agradável e que desperta sensações e lembranças de alguns momentos dessa época em nossas vidas, favorecendo ainda mais a assimilação da obra. 

Horimiya garante uma curva atípica para quem quer ler uma comédia romântica diferente do que é apresentado no nicho brasileiro de mangás shōnens com essa temática, e que quebra bastante os clichês e situações que já estamos saturados em diversas obras (não reclamando desse tipo de abordagem, mas situando sua saturação nesse mercado).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.