MB Nacional: Almanaque Guará vol. 1

Começamos agora uma bateria de microresenhas das histórias da revista Universo Guará, que tem trazido a cada edição apenas HQs nacionais por autores novos e outros experientes..

Santo – Episódio 1: Assombração

Abre alas da revista mostra conhecimento do roteirista Alex Mir sobre religião, principalmente as de origem africana. Temos uma espécie de exorcista, acompanhado de um espectro fantasma, que procura demônios. A trama ágil esconde as origens do protagonista. Lembra o modelo de séries episódicas americanas, com história fechada e trama maior sendo contada a cada semana (aqui, edição). A arte e as cores de Dilacerda e Matheus Manhanini são competentes e contribuem para dar mais sombrio à história. 

Ecos – Episódio 1: Caminhos desencontrados

Ficção-científica de Lauro Kociuba, Rapha Pinheiro, P. R. Soliver e Vitor Wiedergrun começa lenta, mas traz elementos suficientes para instigar. Tem algumas perguntas que, pelo jeito, vão ficar pelo caminho, já que não parece ser o tipo de trama que pretende explicar tudo tim-tim por tim-tim. E as respostas não parece fazer falta. Arte muito bonita, mas que ainda precisa se provar em grandes maiores.

Cidadão Incomum – Capítulo 1: A ponta do iceberg

Um super-herói brasileiro diferente do que tínhamos de mais popular até então. Episódio serve pra ambientar o leitor, ainda assim o vai e vem inquietante da trama mais confunde do que dá agilidade. Isso, somado a falta de conhecimento maior do que está rolando, nos deixa com um pé atrás. A arte de Pedro Ivo, também roteirista, é boa – lembra Tony Harris (Ex-Machina) -, mas peca em detalhes. Um livro aparece voando com o título na contracapa, por exemplo. 

Segundo tempo – Parte 1

História simpática, bem escrita por Alex Mir. A arte de Marcelo Costa soa estranha em alguns pontos, como dar expressividade demais em alguns personagens, mas cabe à narrativa. Talvez por ser a única dentre as apresentadas que tem final certo, soa também como a que mais apresentou. Para a segunda e última parte na próxima edição fica um caos muito bem plantado e ansiedade boa para saber como termina. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.