MB HQs: Paper Girls

Imagine uma HQ onde você se apega às protagonistas, por serem autênticas e espontâneas, e você fica triste por essa HQ terminar, mesmo concordando com o seu final, você fica com o gosto de “quero mais”.

Bem vindo ao mundo criado por  Brian K. Vaughan, ilustrado por Cliff Chiang e colorido por Matt Wilson. Bem vindo a Paper Girls!

Stranger Things é você?

 

Ao ver as primeiras páginas de Paper Girls, você automaticamente lembra da série muito famosa na Netflix, isso porque ambas se passam nos anos oitenta. As cores e estilo “trash”, bem característicos da década, são fortes nas duas obras, causando uma sensação de “cópia”. Ainda bem que as semelhanças das obras param por aí. Enquanto a série da Netflix vai para uma temática mais de suspense/terror, a obra de Brian K. Vaughan segue uma narrativa misteriosa, com muitas influências de ficção científica e viagem no tempo.

 

Uma das características do autor, e o que o consagrou, foi seu estilo de como narrar suas histórias. Quem conhece, sabe que ele não sai entregando o enredo e não obedece uma narrativa linear, mesmo em histórias para mais jovens como em “Os Fugitivos” da Marvel, o autor não entrega uma linearidade óbvia e simples. As quatro protagonistas  (Erin, Mac, KJ, e Tiffany) se encontram casualmente, mas tem um motivo muito mais amplo para esse encontro do que aparenta num primeiro momento. O ponto alto é justamente o desenvolvimento das personagens. As protagonistas têm personalidades bem distintas e vão se descobrindo aos poucos. O autor consegue mostrar essa evolução de forma leve e divertida, com sacadas inteligentes e críticas. Essa narrativa misteriosa, às vezes um pouco confusa, vai te prendendo aos poucos com as dicas sobre o enredo central. 

Com uma linguagem jovial, a hq tenta agradar quem não gosta de histórias de heróis trazendo um tema social importante. Outro ponto importante a se destacar é a arte de Cliff Chiang, que passa com sucesso a ambientação “trash” dos anos 80. Ver itens da Apple em 1988 é uma sensação muito engraçada e esquisita. As cores de Matt Wilson (que ganhou um prêmio Eisner em Paper Girls) complementam a experiência, se tornando única nas HQs.

E aí? Vale a pena ler?

É uma das melhores obras da Image dos últimos anos. Te prende com uma leitura intrigante e cativante, ao mesmo tempo sagaz e crítica. Premiadíssima, é indicada para quem procura uma narrativa fora dos heróis, mas que queira uma história geek com pitadas de nostalgia. Perfeita para apresentar HQs para o pessoal que procura algo fora do estereótipo que faz sucesso.  

Paper Girls é escrito por Brian K. Vaughan, famoso por obras como Y- o Último Homem, Saga ,Ex-Machina, Leões de Bagdá e criador dos Fugitivos da Marvel (aquela mesma, que teve séries no Hulu e passou na Sony Brasil). As ilustrações ficam a cargo de Cliff Chiang, que fez as artes de Mulher Maravilha na fase Novos 52. A HQ  foi lançada pela Image Comics e tem 30 volumes periódicos, lançados entre 2015 a 2019, e foi lançado 6 volumes encadernados, entre 2016 e 2020. Esse formato é lançado atualmente no Brasil pela Editora Devir. A Amazon anunciou uma série Live Action da obra para sua plataforma de streaming, a Prime Vídeo, com previsão de estreia em 2021.

Gostou do título e deseja ler? Adquira elas na Amazon! Agradecimentos à Editora Devir por disponibilizar os exemplares dessa magnífica obra. 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.