MB Movies: Samurai X – A Origem.

Samurai X: A Origem (2021)

“Para que os tempos mudem alguém precisa empunhar a espada, e esse alguém sou eu.”

Samurai X: A Origem é a quinta e última parte da série de filmes do personagem Kenshin Himura, baseado no mangá de Nobuhiro Watsuki, e foi produzido ao mesmo tempo de Samurai X: O Final. O diretor Keishi Ohtomo decidiu dividir o filme em dois ao invés de fazer um filme só, uma decisão mais que acertada ao meu ver.

O filme se passa no final da década de 1860, onde a guerra civil final do Japão continua, e vai espalhando-se dos campos de batalha para as ruas da cidade à noite. Enquanto isso, o famoso espadachim Hitokiri Battousai tem matado membros do governo impunemente, sem se importar com o número de guardas em seu caminho. Mesmo as elites do Shinsengumi foram incapazes de subjugá-lo.

Dito isso, as vidas que Battousai tirou quase destruíram o antes idealista jovem que desejava nada mais do que ajudar a trazer o Japão para uma nova era, deixando para trás nada além de uma máquina de matar sem emoção. No entanto, uma noite, ele conhece uma bela mulher que está tão quebrada quanto ele. Seu destino entrelaçado tece a história do que transformou este assassino em um samurai errante que se recusa a matar.

A história desse filme é bastante familiar para aqueles que, assim como eu, assistiram a série de quatro OVAS chamado “Tsuioku-hen” do estúdio DEEN e dirigido de forma magistral pelo diretor Hatsuki Tsuji, e considero inclusive essa como a melhor obra animada baseado no personagem Rurouni Kenshin do senhor Watsuki. Infelizmente é quase impossível não comparar as duas versões (ova e o filme), e antes de me aprofundar nos pontos negativos dessa adaptação live action, vamos aos pontos positivos!

A cena de abertura é a mais forte já vista entre as adaptações cinematográficas do personagem, o primeiro ato é realmente impactante e brutal, mostrando de forma perfeita o tom deste período histórico e deste Kenshin.  O diretor Keishi Ohtomo realizada nesse filme grandes e exuberantes cenas de ação/lutas de espada no melhor estilo que um filme desse estilo deve ser.

As atuações novamente estão impecáveis, assim como as coreografias das cenas de ação que são extremamente bonitas e de saltar os olhos. O destaque novamente fica para o ator que dá vida ao personagem Kenshin Himura, e pra mim o senhor Takeru Satoh está ainda melhor nesse papel do que no primeiro filme que foi lançado há quase 10 anos atrás, e é praticamente impossível pensar num ator que melhor representaria o personagem após a marca deixada por Satoh. Assim como o filme anterior, aqui temos uma carga dramática ainda maior do que nos três primeiros filmes, e vale destacar também a grande e emocionante atuação da atriz Kasumi Arimura que interpreta a personagem Tomoe Yukishiro, sendo o ato final a parte que renderá algumas lágrimas nos fãs mesmo já sabendo o que está por vir.

Ainda assim, é quase impossível não fazer comparações com o OVA dessa parte da série, entre as cenas que mais senti falta estão: O passado do Kenshin, quando ainda se chamava Shinta, o primeiro corte no rosto do Kenshin que sangrava constantemente, já que para aqueles que assistiram o OVA sabem da simbologia e importância que essa parte tem dentro da trama. 

Porém, nada me decepciona mais que a exclusão do mestre do Kenshin, o personagem responsável por ensiná-lo o estilo Hiten Mitsurugi. O seu mestre foi sequer citado no filme e, ao menos pra mim, fez muita falta a presença de Seijurou Hiko, uma pena que os roteiristas não tenham o adicionado nesta película, ele teria muito a acrescentar a essa bela obra cinematográfica.

A trilha sonora foi composta novamente pelo experiente e talentoso Naoki Sato, que já havia feito a trilha sonora dos quatro filmes anteriores. Do começo até a metade do filme as músicas não empolgaram tanto quanto no quarto filme, porém conforme o filme avança isso melhora, a trilha do clímax é excelente e muito bem encaixada.

Em resumo, Samurai X: A Origem, é um grande filme apesar dos pesares, uma adaptação que não só agradará os fãs como também aqueles que nem conhecem o personagem, caso você sequer conheça o personagem super recomendo que comece por esse, mas obviamente, para um melhor aproveitamento da obra como um todo recomendo o mangá assim como o OVA “Rurouni Kenshin: Meiji Kenkaku Romantan – Tsuioku-hen”. 

Samurai X: A Origem encerra de forma digna e respeitosa (dada as medidas proporções) da obra do senhor Watsuki, e podemos facilmente afirmar que essa foi a melhor adaptação de um mangá da década, e provavelmente continuará assim sendo por muitos anos mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.