MB Review: Zoo no Inverno

Jiro Taniguchi é um dos autores que tem ganho mais publicações no Brasil nos últimos tempos. Apesar de já ter tido algumas publicações pela Conrad e pela Panini, os mangás do autor começaram a ganhar força novamente com o lançamento de ‘’O homem que passeia’’, pela editora Devir, e daí pra frente tivemos várias obras do autor publicadas e outras já confirmadas para serem lançadas em 2022. 

A história de ‘’Zoo no Inverno’’ começa em dezembro de 1966 e conta a história de Hamaguchi, jovem que trabalha no mercado atacadista têxtil em Quioto e que vai ao zoológico em seu tempo livre para desenhar. Ele vive no fundo de uma casa, acima de um depósito reformado, junto com outros colegas de trabalho e serve de ‘’segurança’’ de Ayako, a filha do presidente, que recentemente passou por um divórcio, solicitado pelo marido devido a infidelidade da esposa. Ayako se aproxima mais de Hamaguchi a cada vez que ele a acompanha em suas saídas e é numa dessas que ele acaba ouvindo sobre o Sr. Tsuruta, amante de Ayako, o motivo do divorcio. 

Hamaguchi gostaria de ser designer de produtos e foi por esse motivo que aceitou o trabalho na empresa têxtil, porém ainda não havia conseguido obter o cargo. Até que ele descobre que o sr. Tsuruta também foi designer de produtos na empresa em que trabalha e fica maravilhado com os antigos trabalhos dele. Certo dia, Ayako pede para Hamaguchi a levar ao zoológico, num dia que está nevando demais, justamente por um motivo: para fugir com Tsuruta, seu amante, o qual ainda mantinha contato e encontros às escondidas. Este primeiro capítulo é o que dá origem ao nome do volume, literalmente, é um passeio no zoológico em um dia no inverno.

No capítulo 2, estamos em 1967. Desta vez em Tóquio, e Hamaguchi viaja para visitar Tamura, um antigo colega que trabalha em uma distribuidora de jornais. Hamaguchi sofreu as consequências de ter ‘’deixado’’ Ayako fugir com seu amante, sendo acusado até de cúmplice do casal, o que fez com que sua insatisfação com seu trabalho de Quioto aumentasse, junto com o fato de não estar exercendo o cargo como designer o qual tanto desejava. 

Tamura comenta sobre uma vaga de emprego que apareceu em Tóquio e aproveita a viagem de folga de Hamaguchi para levá-lo até essa vaga de emprego, que era de assistente do mangaká Shiro Kondo. No dia em que Hamaguchi vai fazer a ‘’entrevista de emprego’’ com o mangaká, já lhe é pedido para colocar “a mão na massa” logo de cara, devido aos prazos apertados dos mangakás. O capítulo acaba servindo como uma introdução de como Hamaguchi entrou no mundo dos mangás e exerceu sua paixão pelo desenho, apesar de não ser na área de design de produtos como sempre sonhava. Alguns processos de como é a rotina de um mangaká são mostradas no capítulo, explica-se cada função que os assistentes são encarregados e mostra como é grande a pressão de se trabalhar com mangás.

Nos próximos capítulos, vemos um Hamaguchi mais experiente como assistente de mangaká e como é um trabalho pesado, a ponto de ficarem mais de 40 horas sem dormir, trabalhando direto, para cumprir os prazos. Algumas experiências pessoais de Hamaguchi são contadas entre os capítulos, como sua primeira experiência com álcool junto com uma amiga da namorada de Tamura; a visita de seu irmão, onde conhecemos um pouco mais do histórico familiar de Hamaguchi; e a preocupação de sua mãe sobre o fato de estar trabalhando com mangás, fazendo convencer seu irmão que está em um bom trabalho e que finalmente está exercendo aquilo que mais gostava de fazer desde criança: desenhar. 

Em outros capítulos vemos como também é dura a vida de um assistente de mangaká, que tem que trabalhar arduamente além de também pensar em seu próprio futuro, seja como desenhista ou como mangaká propriamente dito. Muitos dos assistentes trabalham para terem um de seus trabalhos publicados em grandes revistas e é mostrado o quão difícil isso é, muitos acabam não conseguindo ser um autor e vivem como assistentes pelo resto de sua vida. 

Um dos pontos altos do mangá é o capítulo em que Hamaguchi conhece Mari, irmã de uma amiga em comum, e acaba ficando encarregado de sair com ela, que estava em um hospital devido a sua frágil saúde. Ambos compartilhavam um gosto parecido e é neste capítulo que Hamaguchi consegue terminar sua primeira história, entendendo a essência de desenhar mangás e contar histórias através deles. É impossível não terminar esse capítulo em especial sem se arrepiar.

Zoo no Inverno é certamente um dos melhores títulos de Jiro Taniguchi publicado até o momento no Brasil. Conseguimos aprender não apenas um pouco da história do autor como também aprendemos como é a rotina de um trabalhador iniciante na vida de mangaká, principalmente os perrengues e a correria de manter os prazos apertados em publicações semanais, ao mesmo tempo tendo que pensar em sua própria futura carreira. Jiro Taniguchi consegue mais uma vez nos contar uma história de maneira contemplativa, que segue um ponto principal mas consegue pontuar e apreciar pequenos momentos que enriquecem a história. Com certeza, é uma obra sobre a paixão, não só como pelos mangás, mas também pelo seu primeiro grande amor pessoal e como ambos os caminhos se cruzaram.

Zoo no Inverno foi publicado no selo Tsuru da editora Devir, que também publicou outras obras do autor, seguindo o formato 17 x 24,5, o mesmo das outras obras do selo. Em capa cartão com sobrecapa, contendo 232 páginas, totalmente preto e branco, compila os 7 capítulos da história e possui uma breve biografia do autor. O preço de capa é R$55,00. 

Agradecemos à editora Devir por ceder o volume para nossa análise. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.