MB Especial Meiko Kaji: Double Suicide of Sonezaki (1978)

O tema principal de Double Suicide of Sonezaki, como o próprio título já entrega, é sobre o suicídio. Na história do Japão, é realizado há muitos séculos como uma forma de protesto social no país. Neste filme, que é ambientado em 1703, a cultura samurai está sendo transformada pelo surgimento de uma nova classe de mercadores, e elementos do contrato social estão começando a se desfazer. Algumas pessoas sem escrúpulos tiraram vantagem indevida dessas mudanças antes que a ordem social fosse recriada.

Nesse contexto histórico, acompanhamos a história de Tokubei (interpretado pelo ator e músico Ryudo Uzaki), um rapaz que trabalha para seu tio em uma loja, e Ohatsu (interpretada pela Meiko Kaji), uma prostituta. Juntos, sonham em um dia pagar suas dívidas para poderem se casar.

Sem sombras de dúvidas, o escritor Chikamatsu se inspirou na peça Romeu e Julieta, de William Shakespeare, a clássica história trágica de amor de dois jovens que chegou influenciar diversos escritores durante os anos; Sendo que aqui o senhor Chikmatsu coloca a sua própria visão oriental sob esse tema, como, por exemplo, na forma como os japoneses são muitos preocupados com a honra, além da representação do amor dos dois personagens centrais ser mais puxada para um amor espiritual e idealizado, e não baseado na sexualidade. E, por ser baseado numa peça, o filme tem um estilo extremamente melodramático, chegando ao ponto de ser bem teatral, que provavelmente irá causar um certo estranhamento no espectador quando for assistir pela primeira vez e não estiver acostumado com esse estilo.

Falando sobre a direção, temos o brilhante Yasuzo Masumura, que na década de 60 dirigiu inúmeras obras de caráter transgressor, com uma visão cruel do Japão no pós-guerra e com um certo grau de erotismo. Inclusive na época foi apontado pela crítica especializada no Japão como “o cineasta mais importante da história do cinema japonês do pós-guerra”. A sua direção aqui é bastante competente, embora não tenha colocado elementos que fazem parte de sua filmografia, como a crítica à sociedade japonesa. Ao invés disso, segue de forma literal a obra original e dá uma forte ênfase na edição mais concisa e nos diversos close-ups durante a fala dos atores e atrizes, e isso enriquece ainda mais a obra sob a sua direção tão hábil.

Sobre as atuações, o maior destaque vai para a artista Meiko Kaji, que em 1978 já era bem experiente e com total domínio de suas habilidades de atuar. Em Double Suicide of Sonezaki, ela interpreta Ohatsu, uma prostituta que demonstra ser uma mulher completamente perturbada, e isso muito provavelmente por estar presa e sendo obrigada a trabalhar em um bordel, após ter sido vendida por seus pais para um mestre. Sua atuação aqui é do mesmo nível de “Female Prisoner Scorpion”, com a diferença que vemos a senhora Kaji se expressar bastante não só com a face, mas também com palavras, o que difere muito da Sasori de Female Prisoner Scorpion que é praticamente muda. Uma interpretação impecável e arrepiante, que inclusive lhe rendeu diversos prêmios no Japão.

Ao seu lado, temos o músico e compositor Japonês, Ryudo Uzaki, que interpreta o personagem Tokubei, que ama Ohatsu, mas, por ser pobre e não ter sua própria loja, acaba não conseguindo pagar as dívidas de sua amada para casar-se com ela. Sendo assim, se torna apenas seu cliente regular. Diferente da Kaji e de todo o restante do elenco, considero a atuação do senhor Uzaki a parte mais fraca do filme, sendo que diversas vezes é bastante exagerada, porém é possível se acostumar ao longo da obra e isso não ofusca o brilho deste magnífico filme.

Em suma, Double Suicide of Sonezaki é a releitura perfeita de Romeu e Julieta, mas com a visão e costumes de época dos japoneses. Um verdadeiro épico romântico e trágico caso de amor entre uma prostituta e um comerciante, que tem uma visão bem mais pura e espiritual sobre o sentimento que é o amor. Um trabalho incrível, que certamente agradará os fãs de tragédias românticas, assim como os da senhorita Kaji, que entrega a atuação de sua vida nessa obra. Simplesmente imperdível!

Curiosidades: 

  • Double Suicide of Sonezaki (1978) é considerado por alguns críticos japoneses como a adaptação para a tela mais fiel de qualquer uma das peças de Chikamatsu, perdendo apenas para a versão feita com fantoches de Kurisaki dois anos depois.
  • Esse filme rendeu diversos prêmios pela atuação da atriz Meiko Kaji, como o Blue Ribbon Award e Hochi Film Award de melhor atriz.
  • A equipe trabalhou com um orçamento bem apertado e, como a atriz Meiko Kaji estava tão ansiosa em trabalhar com o diretor Yasuzo Masumura, ao qual era muito fã, aceitou o papel sem nenhuma garantia de pagamento.
  • As filmagens foram realizadas em 19 dias. Numa entrevista, a senhora Kaji revelou que os últimos 3 dias foram feitos com atores e equipe trabalhando durante a noite.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.