MB Movies: The Batman (2022)

The Batman, filme de Matt Reeves com Robert Pattinson no papel do herói, entrou para o catálogo da HBO Max. Diferente de adaptações anteriores, esta nova abordagem privilegia o lado investigador do personagem. Terá Reeves conseguido corresponder às expectativas dos fãs e realizado um filme à altura do que foi feito anteriormente por Christopher Nolan?

Pela primeira vez em mais de 30 anos de adaptações, temos um filme 100% só do Cavaleiro de Gotham e uma parcela bem pequena de Bruce Wayne. Aqui, podemos discutir tanto pontos positivos quanto negativos. Expliquemos melhor! Por mais que seja maravilhoso ver o Batman em ação,  seja como um exímio lutador ou hábil detetive, os roteiros de Matt Reeves e Peter Craig ignoram elementos de suma importância.

O fato do filme se concentrar apenas no personagem de Batman faz com que deixemos de lado a pessoa por baixo do capuz. Em momento algum encontramos a personalidade clássica do Bruce Wayne. E para piorar, foi apagada a relação entre o patrão Bruce e o mordomo Alfred, aparecendo em raros momentos. É claro que veremos a relação de amor e de zelo que o senhor Wayne tem por Alfred, mas esse momento acontece apenas uma única vez. Para nós só resta torcer que no próximo trabalhem melhor a relação entre os dois.

Ainda sobre os personagens que não foram bem aproveitados, fica a menção ao ator Colin Farrell como Pinguim. O tempo de tela dado pra ao personagem é tão pouco que a conclusão que chego é o famoso “não fede e nem cheira”. Esperava ver mais do Pinguim e o quão imponente é como criminoso, como antes exploraram nos quadrinhos. Já no ator John Turturro, no papel do mafioso Carmine Falcone, encontramos uma excelente atuação, sobressaindo-se ao Pinguim. Preferiria um equilíbrio entre ambos ao ofuscamento de uma das figuras.Ao menos verei mais dele na futura série do Pinguim para a HBO Max, onde Collin Farrell poderá dar vida a Oswald Cobblepot.

Boa química possuia a dupla Batman e Selina Kyle, interpretada pela atriz e cantora Zoë Kravitz, criando bons momentos na medida certa com a famosa tensão sexual padrão nos quadrinhos. No que diz respeito ao Charada nutro sentimentos mistos. Quando usando a máscara o personagem é simplesmente incrível, ameaçador e doentio, mas quando desmascarado e preso é reduzido a um tremendo bobalhão! A cena de chilique no asilo Arkham é ridícula e reduz Edward Nigma ao papel de um bocó aleatório. Apesar de quebrar o tom do filme, não o compromete como um todo. Mas isso graças a atuação excelente de Paul Dano.


Felizmente o mesmo não podemos dizer do Robert Pattinson, que diferente do Charada, está perfeito no papel de Batman. Mesmo com pontos negativos do roteiro por não explorar de características de Bruce Wayne, ainda ssim temos um Batman que chega a bater de frente com o Christian Bale e Michael Keaton. O senhor Pattinson entrega com maestria uma atuação carregada de ódio e trevas com uma naturalidade incrível. Nos faz crer que o ator nasceu para um dia interpretar o papel de Batman, fazendo com não seja apenas um vigilante mascarado em busca de vingança, mas um verdadeiro símbolo de esperança e justiça. Mais uma vez fica aqui minha torcida para que nos próximos filmes seja desenvolvido melhor o lado Bruce Wayne.

Apesar de deslizes pontuais no roteiro, The Batman não compromete o ótimo trabalho realizado pelo diretor Matt Reeves e a sua equipe, sendo um excelente recomeço para o Cavaleiro das Trevas nos cinemas, com um futuro bastante promissor pela frente e, que assim seja, vida longa ao maior detetive do mundo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.