MB Classic : The Vision of Escaflowne

O ano de 1996 foi um divisor de águas para a animação japonesa. Era o final emblemático de Neon Genesis Evangelion, que elevava o patamar dos animes a outro nível. Porém, há uma obra que saiu no mesmo ano tão boa quanto, que mistura romance, drama, ação e fantasia medieval. 

O sucesso de Shinji, Asuka e Rei mudou o modo como o ocidente enxergava as animações japonesas. Contudo, isso fez com que as obras próximas ficassem um pouco obscuras no ocidente. Mesmo assim, um outro anime fez bastante sucesso, sendo reconhecido anos depois no ocidente, Tenkuu no Esukafuroune.

A animação saiu em março de 1996, produzida pelo estúdio Sunrise, com 26 episódios. Como todo anime de sucesso, gerou uma série de subprodutos como mangás, light novel e até um movie contando a história de uma outra forma.

A trama gira em torno da jovem Hitomi Kanzaki, uma adolescente que é do clube de atletismo e herdou da sua avó um pingente. Em um dia de treinamento, este artefato se ativa e manda a protagonista para o planeta Gaea. 

Hitomi encontra-se no meio de uma guerra entre os reinos, devido às ambições do império de Zaibach e se vê dividida entre Van, o rei do pequeno reino de Fanella, e o belo Allen, Cavaleiro do reino de Astúrias.

The Vision of Escaflowne é uma das poucas obras que tem elementos de diversas demografias. E essa mistura se complementa de forma incrível. O romance mais puro e honesto dos shoujos se complementa com as lutas e cenas de ação dos shounens. Tudo isso amarrado com personagens incríveis e uma história surpreendente.

Junta- se também uma bela arte para a época e uma trilha sonora incrível, que emociona do início ao fim, principalmente a sua abertura.

Podemos dizer que The Vision of Escaflowne é uma obra subestimada, que merecia mais destaque por ser completa em todos os sentidos, com uma história e animação incríveis. 

Se não conhece, vale a pena procurar e assistir uma das melhores obras dos anos 90 do Japão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.