MB Review: 300

O mundo está em guerra desde antes de Cristo. O temível Xerxes marcha para o ocidente levando os sanguinários persas para dominar o mundo. Porém, não esperava que os bravos espartanos fossem uma pedra em suas ambições sob o comando do valente Rei Leônidas. 

Frank Miller é um autor com obras amadas ou odiadas. Um fã assíduo de história, suas melhores obras sempre estão ligadas a esse tema. Seja o excelente Ronin, o maravilhoso Demolidor, todo nuance dos anos 20 de Sin City e, sim, 300.

Muitos tiveram contato com este último pelo famoso filme de Zack Snyder, de 2007, com Gerard Butler e Rodrigo Santoro, e cenas de ação que eram de tirar o fôlego.

Porém, esse clássico moderno foi escrito e desenhado pelo próprio Miller em 1996 e com as cores de Lynn Varley, em 5 edições para a editora Dark Horse.

A história é sobre o embate do império persa, comandado pelo imperador auto-intitulado Deus, Xerxes, contra apenas 300 soldados espartanos comandados pelo rei Leônidas. 

Apesar de Xerxes e essa invasão persa ser um fato histórico, a narrativa de Miller é totalmente ficcional. Por ser uma minissérie, foca os elementos da batalha e o sentimento espartano. Em relação ao filme, é mais direto, não focando em situações românticas ou na própria esposa de Leônidas.

E sim, o filme praticamente pega a HQ de Miller e simplesmente a utiliza como um storyboard. A cena clássica “This is Sparta!” foi copiada exatamente no filme assim como outras cenas clássicas que o autor idealizou.

Mas a vantagem de ler a HQ é válida justamente pela arte suja e caricata de Miller. Isso, somado a uma violência que por muitas vezes choca, mas adorada pelos fãs do artista. Tudo isso somado pela atmosfera criada por ele e com cores bem colocadas por Lynn Varley, ex-esposa de Miller.

Outro ponto positivo é a edição definitiva da Devir, num formato atípico, na horizontal, mas belíssimo, valorizando a arte e toda a concepção que Miller quis dar à obra, fazendo-a parecer um filme.

300 é uma HQ belíssima, um clássico. Com uma história incrível, arte e cores maravilhosas, com uma dinâmica única numa edição incrível.

Se vale a pena? Se você gosta de ação e boas cenas de lutas, vale sim!

Agradecimentos à editora Devir pelo volume cedido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.