MB Review: Death Note Black Edition vol. 6

As maquinações de Light estão, uma a uma, sendo postas à prova, principalmente agora que seu maior adversário, Near, está a caminho do Japão para confrontar o falso L. Ele não só quer acabar com os assassinatos, como também expor Light Yagami como o verdadeiro assassino portador do Death Note. Light aceitará o desafio? E Near, conseguirá revelar a verdadeira face de Light Yagami?

Mello morre em um confronto indireto com Light por sua impulsividade. Porém, esse era o gatilho necessário para que Near aumentasse ainda mais as suas desconfianças com esse novo L, graças a algumas pistas deixadas como último suspiro do excêntrico pupilo.

Por fim, consegue dar mais um passo e encurralar esse novo Kira. Todavia, Light, achando que tudo sairia como planejado, graças a um falso Death Note criado pela força policial de Near, caí em sua própria armadilha. E quando pensou que conseguiria de fato acabar de vez com todos, em desespero, o portador do caderno falso acaba por tirar sua vida em um momento de extrema tensão. Deixando assim, finalmente, Light sem nenhuma peça na manga.

Esse talvez seja um dos pontos mais interessantes para analisar de fato a psiquê do personagem Light, que, após estar em seu momento de maior desespero, cede toda sua postura e razão. E, após sua revelação de todos os seus atos hediondos, finalmente a odisseia de seu fim estava próxima, não sabia lidar com isso. Alguém que sempre esteve se mantendo racional, por estar um passo à frente, finalmente entrou em desespero. Como um final merecido, esperneava no chão clamando por sua vida e por vontade de viver, o que não foi o bastante para evitar seu fim, que aconteceu graças a Ryuk. Este, finalmente estava entediado, marcando o fim de Light e deixando suas consequências genocidas para trás e para o mundo.

Misa? Acaba por se ver desolada e não demora muito para cometer suicído. A família de Light viveu até seus últimos dias sem saber de seus crimes. Ryuk volta ao mundo dos shinigamis. E a humanidade continua existindo com aqueles que aguardam a volta do seu salvador doentio e com aqueles que sobreviveram pra ver a libertação dessa ditadura 

Death Note cumpre muito bem seu papel como shōnen e avança ainda mais por promover uma história densa sobre moral, ética, contrato social e liberdade. Todavia, não vai além disso como entretenimento, a obra com a estética gótica brilha em suas ilustrações e sua trama não deixa de ser marcante. Todas as edições 2-1 da JBC são lindas e dão o ar necessário à obra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.