MB Classic: Marmalade Boy

Adaptado do mangá de Wataru Yoshizumi, Marmalade Boy é um daqueles shoujos dos anos 90 que dispensa apresentações. A atmosfera de comédia e drama definem muito de seu charme, mas também pode afundar a experiência quando se torna um ciclo para estender a história.

Miki não aceita muito bem o divórcio e a união de seus pais com novos parceiros. Essa situação fica ainda mais complexa com todos morando juntos na mesma casa. Porém, a convivência e a relação de Miki com Yu fazem com que a garota perceba que o amor é um pouco mais complicado do que parece.

Esse dilema inicial é um dos pontos altos da obra. Acompanhamos Miki aceitando sua família, que de fato é extremamente acolhedora. Enquanto conhecemos ambientes familiares que estão distantes dessa mesma perspectiva. Meiko, melhor amiga de Miki, mostra que uma família tradicional não é o único modelo existente, podendo o amor ser representado de outras formas.

Família perfeita!! Inclusive, gostaria de mais destaque para os personagens

O foco em discutir as diferentes formas de amor é um dos pontos mais interessantes da obra, mas é deixado de lado rapidamente. Uma percepção que tive foi que a obra teve de expandir seus episódios por conta do sucesso na época. Não obstante, temos 76 episódios de um mangá com apenas 7 volumes em seu material original. Esse número de episódios talvez explique como a obra parece se perder, visto que tinha um potencial no início, mas no meio parece repetir dilemas que apresentados já no primeiro arco.

Os personagens acabam sofrendo com o número excessivo de episódios. O desenvolvimento de suas relações e dramas parece sempre deslocado. Perde um pouco do peso dramático, visto que temos o desenvolvimento picotado e distribuído entre arcos mais leves.

Também vale a crítica acerca dos estereótipos que parecem dominar a obra. Chamam muito a atenção no início, mas o seu desenrolar cria uma grande barreira e replica a ideia de que as mulheres seriam guiadas apenas pelas emoções, enquanto os homens aparecem enquanto seres racionais. Geralmente não me incomoda, visto seu contexto de produção, mas quando se torna repetitivo parece ganhar mais evidência.

A dinâmica de terminos e distanciamentos funciona bem, mas não dá pra tankar as marmeladas do Yuu.

Marmalade Boy é uma obra que me atraiu por meu amor a shoujos noventistas. Entrega uma boa animação, uma trilha sonora satisfatória e um início interessante, mas seu desenvolvimento fica perdido em meio aos dramas que tanto o valorizavam.

A animação está disponível na Crunchyroll, em versão com legendas. O mangá foi publicado no Brasil pela Panini em versão tanko (7 volumes).

Episódios: 76

Direção: Yasuo Yamayoshi, Atsutoshi Umezawa

Estúdio: Toei Animation

Gêneros: Comédia, Drama, Romance

Marmalade Boy ainda conta com live-actions produzidos em Taiwan (2002) e no Japão (2018).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.